Dilma reage ao “Volta, Lula”; prazo é curto para mudança

Pedro do Coutto
 
Ao afirmar que se encontra plenamente consciente da lealdade do ex-presidente Lula a ela, no jantar que ofereceu no Alvorada aos editores das paginas esportivas, a presidente Dilma Rousseff decidiu reagir pública e diretamente ao movimento articulado em certos bastidores contra sua candidatura a reeleição, como também para cobrar o compromisso assumido recentemente em favor de seu nome. Assim desestimulou seu antecessor e grande eleitor a dar ouvidos a políticos motivados a afastá-la do posto. A melhor matéria sobre o assunto, sem duvidas, foi de Natuza Nery e Aguirre Talento, manchete principal da Folha  de São Paulo, edição de 30 de abril. Importante também o texto de Marceu Vieira, publicado no Globo.

Com isso, Dilma Rousseff procurou conter e isolar seus adversários dentro do PT e do PR, algo politicamente muito desejado pelo PMDB, que sente crescer sua importância eleitoral na base aliada, principalmente para ocupar o espaço dos descontentes. Política é assim. Mas o tempo está correndo, o que é fundamental. Exatamente por tal motivo é que a corrente dilmista convocou a manifestação de sexta-feira, no sentido de implantar um clima de pré-convocação.

E por falarem em convenção, verifica-se lendo-se o artigo 8 da lei 9.504/97, Lei Eleitoral, que o prazo para as convenções partidárias destinadas à escolha dos candidatos (e das candidatas) está fixado para o período entre 10 a 30 de junho. Pode ser antecipado se o estatuto dos partidos preverem data anterior. Quer dizer : o processo pode ser antecipado. Nunca adiado. 

Não há tempo, portanto, para uma mudança tão radical quanto a de Lula entrar em campo no lugar de Dilma Rousseff. Sobretudo porque, pela reportagem da Natuza Nery e Aguirre Talento, o estatuto do PT assinala que a convenção se efetue a 29 de junho, dentro do prazo legal. Não importa a queda da atual presidente da Republica nas pesquisas. A legenda e a chamada base aliada têm que ir com ela. Não há outro jeito. Exceto para o Instituto MDA, que realizou levantamento para a Confederação Nacional dos Transporte, Dilma desceu, mas Aécio Neves e Eduardo Campos não subiram.

OS NÚMEROS

Vamos comparar os números mais recentes. O Datafolha apontou 38 pontos para Rousseff, 16 para Aécio, 10 por cento para Eduardo Campos. O Ibope achou 37 para Dilma, 14 para Aécio, apenas 6 pontos para Eduardo Campos. Agora o MDA: Dilma os mesmo 37, Aécio salta para 21 pontos e o ex-governador de Pernambuco, Campos apareceu com 11 por cento das intenções de votos. 

Como se verifica é grande, absolutamente fora do normal, resultado de um desencanto e de uma insatisfação, o índice dos que (hoje) pretendem anular o voto ou votar em branco. O panorama pode mudar, claro. Mas ainda não mudou. Por enquanto o impulso  de mudança reside numa escala do próprio PT. E no PR. Mas caso a candidatura de Dilma Rousseff se mantenha, o que esses petista poderão fazer ? Votar em quem ?  

9 thoughts on “Dilma reage ao “Volta, Lula”; prazo é curto para mudança

  1. Parece ser que a situação eleitoral está se deteriorando para o PT, já que o candidato da oposição – Aécio Neves – começou a esboçar uma grande reação.

    Neste momento, pelas pesquisas, talvez a informação mais importante seja a rejeição do eleitorado pelos candidatos.

    Neste caso a Dilma está levando a pior. Sinal de que tudo pode mudar no segundo turno, já confirmado nas últimas pesquisas.

  2. É, está cada vez mais dificil para dona Dilma, Lula e o PT.

    “Consumo de gás natural bate recorde histórico por geração térmica
    Reuters 05/05/201411h46

    SÃO PAULO, 5 Mai (Reuters) – O consumo de gás natural no Brasil em março bateu recorde histórico, puxado pelo forte acionamento de termelétricas, que estão ligadas para ajudar no abastecimento de energia do país em momento de baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas”.

    Leia mais em: http://zip.net/bdnh6f

    Deste jeito, não tem quem consiga segurar o aumento da conta de luz para depois das eleições.

  3. Em seu editorial o jornal Financial Times compara Dilma aos comediantes Irmãos Marx.

    “Pobre Dilma Rousseff”, inicia o texto. Para o Financial Times, a presidente do Brasil projetava “uma aura tediosa da eficiência de Angela Merkel”, mas resulta em um trabalho mais parecido com o dos comediantes Irmãos Marx. “Os preparativos atrasados para a Copa do Mundo já envergonham o país, enquanto o trabalho para os Jogos Olímpicos de 2016 é classificado como ‘o pior’ que o Comitê Internacional já viu. A economia também está em queda. O Brasil, uma vez o queridinho do mercado, vê investidores caindo fora”, diz o texto.

    LINK:
    http://epocanegocios.globo.com/Informacao/Visao/noticia/2014/05/financial-times-faz-critica-dura-contra-presidente-dilma.html

  4. Paulinho da Força chama Dilma de ‘maldita’ em evento com Aécio

    O senador e presidenciável do PSDB, Aécio Neves (MG), faz palestra nesta manhã no Sindicato Nacional dos Aposentados, na capital paulista. Ligado à Força Sindical, o tucano foi recepcionado pelo deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, do partido Solidariedade. No breve discurso que fez, Paulinho criticou duramente a presidente da República, Dilma Rousseff, e a sua equipe econômica. “Já tomei multa na eleição passada por defender a ‘maldita’ da Dilma que está aí”, disse sob aplauso do público de cerca de 400 pessoas.

    Segundo o sindicalista, a Força Sindical rompeu com o governo Dilma porque ela não cumpriu o que havia prometido aos trabalhadores. “Ela só recebe os poderosos no Palácio do Planalto”, frisou. Ele disse que Aécio vai vencer as eleições e que terá um ‘2015 infernal’, porque terá de arrumar a casa, reduzindo inflação, saneando a Petrobras, recuperando o setor industrial e a construção civil e cuidando dos institutos que ‘manipulam’ os índices de inflação, numa referência indireta ao IBGE.

    Nas críticas à equipe econômica, ele disse que o que o ministro Guido Mantega não se pode levar a sério porque a “nossa economia está frangalhos”. No final do discurso, pediu que Aécio criasse um índice de inflação específico para os aposentados, caso vença o pleito.

    (Transcrito do Diário do Comércio)

  5. Aécio anuncia projeto para corrigir tabela do IR em palestra a aposentados

    O senador e presidenciável do PSDB, Aécio Neves, disse que encaminhará ainda nesta segunda-feira, 5, ao Senado Federal um projeto para correção da tabela do Imposto de Renda. Em palestra no Sindicato Nacional dos Aposentados, em São Paulo, Aécio criticou a presidente da República, Dilma Rousseff, que, em pronunciamento na véspera do Dia do Trabalho, anunciou uma correção de 4,5% na tabela do IR.

    “As promessas não podem ser feitas apenas com sentido eleitoreiro, como fez Dilma em pronunciamento em cadeia de rádio e TV”, disse Aécio. “Para mostrar que não faço propostas em troca de moeda eleitoral, estou apresentando hoje ao Senado um projeto que vai garantir a correção da tabela do Imposto de renda pelo IPCA pelos próximos cinco anos”. Para Aécio, a tabela atual está defasada.

    Ao falar a uma plateia de 400 pessoas formada majoritariamente por aposentados, Aécio afirmou que defenderá também a inclusão dos custos dos aposentados no cálculo do IPCA, índice oficial de inflação do Brasil. “Precisamos fazer com que o IBGE calcule de forma clara o custo de vida do aposentado. Isso tem que fazer parte dos custos que compõem o índice de inflação.”

    (Transcrito do Diário do Comércio)

  6. A presidenta têm um prazo de validade na sua pré-candidatura…
    Ele vence em 15 de setembro, último dia para a troca de candidatos a presidente e governador. Se passar, dali para frente, caminho livre…
    A grande indagação é, será que ela chega até lá como candidata ?..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *