General Paulo Sérgio Nogueira consultou Alto Comando antes de desistir de punir Pazuello

Fidelidade eterna a Bolsonaro custará caro a Pazuello

Pedro do Coutto

O comandante do Exército, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, matéria de Jussara Soares no O Globo desta quinta-feira, decidiu ouvir o Alto Comando para poder então tomar uma decisão em relação ao caso Pazuello.

Ficou clara, a meu ver, a tendência do general Paulo Sérgio Nogueira no sentido de aplicar alguma sanção contra Eduardo Pazuello. Se a sua tendência fosse negar, já teria decidido pessoalmente, arquivando o processo.

DIVISÃO DE RESPONSABILIDADE – No entanto, se foi consultar o Alto Comando, é porque queria dividir a responsabilidade efetiva em um momento de grave crise política no país. A decisão, portanto, é mais do Alto Comando do que do próprio comandante.

Jair Bolsonaro não desejava que o general Pazuello seja punido, tanto assim que o nomeou, nesta semana, para um cargo no governo. Ao se decidirem, os generais do Alto Comando preocuparam-se também com aa posições dos generais Luiz Eduardo Ramos, chefe da Casa Civil, Braga Netto, ministro da Defesa, e Augusto Heleno, do Gabinete de Segurança Institucional.

ECONOMIA –  Na edição de terça-feira da Folha de São Paulo, Eduardo Cucolo e Leonardo Vieceli, publicaram reportagem analisando o relatório do IBGE que apontou um crescimento da economia na ordem de 1,2% no primeiro trimestre, em relação ao trimestre anterior.

A inflação foi de 5,4% no ano passado. Os salários não acompanharam este reajuste inflacionário, mas o Produto Interno Bruto subiu, causando uma surpresa. Os investimentos cresceram 4,6% segundo o IBGE, mas o consumo cresceu 0,1%. Não encontro explicação lógica. O consumo foi muito maior. Esta parte do documento do IBGE sobre o PIB está, a meu ver, esperando uma explicação nítida, pois 0,1% é irrisório para um trimestre.

Além disso, o PIB tem que ser comparado com o mesmo trimestre do ano passado, entretanto se o avanço do produto fosse cotejado com o resultado do trimestre anterior, outubro, novembro e dezembro, o crescimento estaria anulado. O problema do cotejo do PIB tem que ver os números absolutos para se distinguir o superficial do supérfluo.

DEPOIMENTO À CPI –  A médica Luana Araújo, cuja atuação foi destacada no depoimento à CPI da Pandemia, afirmou categoricamente ser contrária à cloroquina, afirmando não saber porque foi convidada a trabalhar no Ministério da Saúde e, dez dias depois, ter sido afastada. A matéria é complexa, tão quanto um claro enigma, para citar o poeta Drummond de Andrade. Ela foi afastada justamente por ser frontalmente contra o tratamento precoce através de remédios sem comprovação científica encomendados pelo governo como parte ativa ao combate ao coronavírus.

Na noite de quarta-feira, o presidente Jair Bolsonaro falou em rede nacional. Como consequência, houve panelaços em várias capitais brasileiras. Aos panelaços devem se juntar também como manifestação popular legítima, as concentrações ocorridas no último fim de semana contra o governo que continua sem um projeto definido, apesar de ter assumido o país há dois anos. O projeto do presidente da República volta-se exclusivamente para as urnas de 2022

SALLES – Decisão da ministra Cármen Lúcia autoriza a abertura de inquérito policial contra o ministro Ricardo Salles, que ainda permanece à frente da pasta do Meio Ambiente, apesar das ondas contrárias a sua atuação e também do seu posicionamento favorável ao desmatamento de florestas verdes.

Esse inquérito, decidido na quarta-feira, é mais um dos que Salles enfrenta como decorrência agora principalmente da denúncia do ex-superintendente da Polícia Federal na Amazônia Alexandre Saraiva. A abertura de mais esse inquérito foi solicitada pela própria PGR em face de notícia-crime apresentada por Saraiva.

LEGITIMAÇÃO –  Salles tentou legitimar um volume enorme de árvores abatidas com por desmatadores que tentam exportá-las. Mas não conseguirão porque o próprio governo americano nega-se a permitir a entrada nos Estados Unidos de tal quantidade de madeira sem a devida aprovação legal.

Portanto, o fato escandaloso serviu para derrubar antigas árvores cujos troncos somados atingem a cifra recorde de 200 mil metros cúbicos. Sem a aprovação de entidades ambientais, as transações não serão concluídas. Concluído está, aos olhos de todos, a atuação negativa de Ricardo Salles no Meio Ambiente.

15 thoughts on “General Paulo Sérgio Nogueira consultou Alto Comando antes de desistir de punir Pazuello

  1. Sr. Newton,

    Quem diria, .
    O Partideco Corrupto “puxadinho” do PSDBandido vai pra guerra com a Quadrilha do FHCorrupto….
    Depois de “levar” várias facadas nas Costas do Comunopata Johnny Doryan Grey, o famoso Ladrão de Merendas das criacinhas vai tentar outros ares…

    DEM oferece a Alckmin controle do partido em São Paulo

    Movimento da direção nacional é resposta à saída do vice-governador de SP Rodrigo Garcia do partido, mas esbarra no apoio da sigla ao governador João Doria

  2. Nota primorosa lida no oantagonista:

    …subir no palanque de Jair Bolsonaro foi o menor dos delitos de Eduardo Pazuello. O que ele fez durante a epidemia foi incomensuravelmente mais danoso para os brasileiros.
    Isentando-o, o Exército isentou-se de sua própria responsabilidade…

    • Seu Armando, desiluda-se duma vez por todas. Em nosso país, até a Terceira Via é fraudulenta!
      -Todos os dias, eu passava numa praça, onde havia um Trio de mulheres cegas: cada uma tocava um instrumento, para angariar uma esmolinha.
      Certo de que as três não enxergavam, quando eu passava no local, doava R$ 10,00 a cada uma.
      Depois passei a examiná-las e constatei que as duas primeiras eram realmente cegas, mas a Terceira Via. Dali, em diante, esmola do meu bolso, nunca mais ganharam.

      • eh!eh!eh Boa….

        Sr. Paulo, fique tranquilo, já estou vacinado com essa raça maldita e sanguinolenta.
        Desde 1996 não voto mais nessa cambada de fariseus, ladrões, corruptos, assassinos, genocidas e filhos de umas pulgas.
        As esperanças já foram perdidas há muito tempo.
        Já cheguei a conclusão de que não tem mais jeito.
        Não tenho mais ilusão de nada, e não fico na expectativa de algo melhor para o Páis, o que vier agora é lucro.

        Grande abraço. e um Salve para o Maranhão.

  3. Geisel tinha razão quando falou em militares na política.

    Quanto ao PIB, o motor de crescimento continua a ser as commodities, infelizmente, pois isso é cíclico e aconteceu no período áureo do Lula. Já Dilma teve um período de vacas magras em relação a esses produtos. E a taxa de crescimento do trimestre se refere ao anterior (esse de 1,2%). E o consumo recuou 0,1%.

    Para um crescimento sustentável, a economia precisa de diversificação e a renda média do Brasil aumentar.

  4. Do oGlobo: “Comando do Exército argumenta que punição a Pazuello poderia ampliar crise.”

    Um conselho em francês: Petit à petit l’oiseau fait son nid.
    Ou em inglês: Every little bit helps.
    Ou em português: Pouco a pouco a fraqueza do exército vai nos levar a uma monocracia á venezuela.

    Espero que a fragilidade em liderança dos nossos militares não afete a nossa imagem no exterior.

  5. NÃO GOSTARIA de ser o Bolsonaro, mas gostaria de estar no lugar dele (como, aliás, tentei via ditadura partidária enquanto dona do monopólio eleitoral, em 2014 e em 2018, pedindo passagem ao PSOL, que me vetou, ou me barrou no baile eleitoral nas duas oportunidades), com as forças armadas nas mãos, como Bolsonaro as têm, de um jeito que até hoje ninguém jamais conseguiu tê-las na história do Brasil, mas não pelas delícias do poder pelo poder, muito menos para ostentação, soberbas, patifarias, galhofas, bravatas, palhaçadas, bizarrices, retrocessos, maniqueísmos, diletantismos, autoritarismos, malfeitos e afins…, MAS ISTO SIM porque tenho em mãos, há 30 anos, agora na pontinha dos cascos, o Projeto Novo e Alternativo de Política de Nação, a Terceira Via de Verdade, a Nova Política de Verdade, capaz de resolver o Brasil para os próximos 500 anos, que precisa de todos juntos e misturados, direita, esquerda e centro, para ser levado a efeitos, como propõe a RPL-PNBC-DD-ME, o megaprojeto novo e alternativo de política e de nação, com Democracia Direta e Meritocracia, o novo caminho para o novo Brasil de verdade, porque evoluir é preciso, capaz de colocar todos e todas numa nova arena, realmente democrática e civilizada, de disputas de poder, aberta a todos e todas, com paridade de “armas”, alicerçada na paz, no amor, no perdão, na conciliação, na união e na mobilização em prol da mega-solução focada no sucesso pleno do bem comum do conjunto da população. https://www.brasil247.com/brasil/apos-assumir-o-comando-total-do-exercito-bolsonaro-diz-que-cpi-nao-vai-derruba-lo?fbclid=IwAR0-pCiGwZfecX64EdfIH9jMbOUtabxfqIXrq7NPwFmQvZNdVoP8nZntugE

  6. Ótima análise, essa da não punição do general. Ao ouvir o Alto Comando, o comandante do Exército dá mais legitimidade à sua decisão.

    Na verdade, o general Pazuello não cometeu nenhum ato grave do ponto de vista disciplinar. Forçando muito a barra, pode ser acusado de uma “inconveniência”. Isso nunca foi motivo para punição de militar, ainda mais de um general de divisão. Outra coisa, um general não se repreende, se prende.

  7. quando
    o “alto comando” torna-se
    o baixo meretrício
    dum reles
    coiteiro de milicianos
    vê-se que a latrina do frotismo
    – ustra e curió –
    logo, logo
    poderão ser medalhados.

    .

    ê, brazil:
    nesse momento
    és menos que colônia.

    • Errata
      .
      .
      quando
      o “alto comando”
      torna-se
      o baixo meretrício
      dum reles
      coiteiro de milicianos
      vê-se que
      expoentes da latrina do frotismo
      – ustra e curió –
      logo, logo
      poderão ser medalhados.
      .

      ê, brazil:
      nesse momento
      és menos que colônia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *