Jair Bolsonaro atua como “o cupim do Planalto”, corroendo os pilares da democracia

Resultado de imagem para democracia charges

Charge do Duke (O Tempo)

Bernardo Mello Franco
O Globo

Ao promulgar a Constituição de 1988, Ulysses Guimarães disse que a corrupção era o “cupim da República”. O Senhor Diretas não conhecia Jair Bolsonaro, na época um obscuro candidato a vereador.

Três décadas depois daquele discurso, o capitão se tornou presidente. Eleito pelo voto, exerce o poder como um cupim da democracia. Corrói suas instituições por dentro, como insetos que devoram um armário lentamente até levá-lo ao chão.

ROENDO A DEMOCRACIA – Em dois anos e meio, o cupim Bolsonaro já roeu parte dos pilares do edifício erguido pelos constituintes. Aparelhou os órgãos de controle, danificou o sistema de freios e contrapesos, corrompeu a confiança no sistema eleitoral.

Em sua marcha autoritária, o capitão domesticou a Polícia Federal, a Receita e a Abin. Subjugou o Exército para proteger um general de estimação. Transformou o Ministério da Justiça numa usina de processos contra adversários políticos. Estimulou grupos extremistas a pregarem o golpe e o fechamento do Supremo.

O projeto de desconstrução envolve a captura de órgãos públicos para atuarem na contramão de suas missões institucionais. O Ministério do Meio Ambiente virou bunker de aliados do desmatamento. A Fundação Palmares, criada para promover a igualdade racial, foi entregue a um provocador que nega a existência de racismo no país.

APARATOS CLANDESTINOS – Ao mesmo tempo em que desmancha estruturas do Estado, Bolsonaro monta aparatos clandestinos para defender seus interesses. A rede reproduz a lógica da milícia. Atua à margem das instituições e abaixo do radar de quem deve fiscalizá-las.

Assim surgiu o orçamento secreto, que reservou bilhões de reais para a barganha de apoio parlamentar. Assim opera o gabinete do ódio, que difama e persegue críticos do governo. O grupo se camufla atrás de robôs e perfis falsos para disparar mensagens que não podem aparecer na comunicação oficial.

A CPI da Covid revelou outra estrutura subterrânea: o gabinete paralelo que sabotou o combate à pandemia. O conselho de negacionistas ajudou a derrubar dois ministros da Saúde. Estimulou o boicote às vacinas e a distribuição de remédios sem eficácia contra o coronavírus.

COMUNISMO E CORRUPÇÃO – A exemplo de outros demagogos, o presidente se apoia na retórica contra o comunismo e a corrupção. “Não temos nada no tocante à corrupção no governo, nada”, repetiu, na quinta-feira. Para seus seguidores fanáticos, não importa que os fatos indiquem o contrário.

O primeiro-filho comprou uma mansão de R$ 6 milhões. A primeira-dama recebeu depósitos sem explicação. O ministro do Meio Ambiente é investigado por suspeita de facilitar o contrabando. O ex-secretário de Comunicação responde a inquérito por negócios com empresas que receberam verba federal.

Nos últimos dias, documentos enviados à CPI mostraram que Bolsonaro atuou pessoalmente como lobista de laboratórios que fabricam cloroquina. Se seguir o caminho do dinheiro, a comissão pode virar um inseticida contra o cupim do Planalto.

13 thoughts on “Jair Bolsonaro atua como “o cupim do Planalto”, corroendo os pilares da democracia

  1. REPUBLICAD >>

    DEMOCRACIA – um castelo de areia cuja Pedra Angular é a liberdade – tem o seu equilíbrio vertical, mutas vezes, “garantido” por Quintas-Colunas.
    Dada a sua doutrina libertária, é o único regime que se apresenta com a fragilidade de uma árvore hospedeira: admite criar plantas parasitas, que, não raro, deixam-na vulnerável a sua destruição insidiosa.
    Outro dilema da Democracia vem à tona, quando ela precisa reagir para defender seu dogma, a liberdade: na dose certa é razoável. Mas, se o inimigo exigir contramedidas mais duras: aí o regime democrático, temporariamente, acaba igualando-se a uma Ditadura com Eufemismo. Foi, exatamente, essa faceta do mal que as democracias ocidentais assumiram, quando tiveram de combater Al-Qaeda e Estado Islâmico!
    Atualmente, a humanidade se encontra, na bifurcação de duas vertentes: -Anarquismo total ou Anomia. -E a mais provável: um Governo Único de domínio psicossomático (corpo e alma) ou temporo-espiritual.
    Quanto ao Brasil, ideologicamente, nunca houve esquerda nem direita. Essas duas pontas, aparentemente, antagônicas e bifurcadas, tais como língua de cobra, têm a mesma função ofídica de sondar, em suas presas, o melhor momento para lançar o bote certeiro!

    • Sr. Paulo

      Não convidaram o Poderoso Chefão da Máfia Tucanostra para o evento.??
      Assim não dá, assim não pode.
      Com certeza o Chefão Don FHcorleone tem mais uma “terceira-via” na cartola.
      Já que o Luciano Hulk-Rosa vez água, este preferiu os 5 milhões por mês do Império Global do Mal ao sentar na cadeira mais imunda do Universo, quem sabe o Chefão lança o outro troglodita Apresentador de Carnificina “José Luis Datena.”””….

  2. Disse tudo, com um excelente texto, Bernardo Mello Franco !
    Da nova safra de Jornalistas competentes, nesta terra de tantos profissionais fajutos, este garoto ainda vai muito longe…
    Parabéns !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *