Jair Bolsonaro avança e dispara sinal de alarme no convés da democracia

Charge do Duke (otempo.com.br)

Pedro do Coutto

Reportagem de Francisco Leali, O Globo desta terça-feira, coloca em grande destaque a decisão do Exército que impôs o sigilo de cem anos para divulgação do processo que avaliou que Eduardo Pazuello não cometeu indisciplina e nem infringiu a lei com a sua presença na caravana de motociclistas no Rio de Janeiro ao lado de Jair Bolsonaro. Participou da reportagem Dimitrius Dantas.

O que os repórteres queriam saber era a respeito do conteúdo que marcou a reunião do Alto Comando que afastou qualquer hipótese de punição ao ex-ministro da Saúde. Pela legislação em vigor existem assuntos que são resguardados, segundo a matéria, pelo período de um século.

URNAS E ARMAS –  A meu ver, há um sinal claro de que Bolsonaro avançou na rota militar, passando assim a desenvolver dois projetos políticos: o caminho das urnas e o caminho das armas. É mais do que evidente que o projeto do bolsonarismo é ocupar o poder no Brasil por um largo espaço de tempo. Não que haja algo que possa ser mantido em segredo por um século, não é esse o aspecto mais importante.

O aspecto mais importante está no posicionamento da área militar dando cobertura ao presidente da República ao mesmo tempo em que assegura uma imunidade do estatuto, aplicando-a ao general Eduardo Pazuello. Realmente não há como, pelo menos no momento, como se vencer a barreira estabelecida. A repercussão deverá ser muito grande e não sei porque só o Globo publicou esta matéria. O texto de Francisco Leali e Dimitrius Dantas deveria constar da edição online do jornal. Mas esta é outra questão.

A pesagem da importância das reportagens é um critério exclusivo dos editores. Aliás, a diferença entre o jornalismo, nele compreendidos os jornais impressos e as informações na internet, estabelece uma distância bastante grande. Já focalizei o assunto outras vezes, acentuando que os órgãos de imprensa e as emissoras de televisão seguem critérios traçados pelos respectivos editores. O que não se aplica às redes sociais da internet. Qualquer pessoa pode ter acesso e se manifestar como bem entender. Entretanto, a liberdade de expressão não representa por si só a condição de imunidade aos autores dos textos.

AUXÍLIO EMERGENCIAL – Mas eu disse que Bolsonaro desencadeia sua maratona em dois pólos. O pólo militar, que bloqueou as informações sobre as decisões do Alto Comando, e a determinação do próprio Bolsonaro de prorrogar o auxílio de emergência por mais dois meses porque terminaria no final deste mês a última parcela da emergência que foi destinada aos extremamente carentes que encontram dificuldades de todo tipo até para se alimentar, o que colide com a condição humana.

Mas a condição humana, como objetivo do governo, não é apenas um ato de socorro, trata-se também de um ato político para conter a perda de popularidade do governo, tendência registrada pelas últimas pesquisas do Datafolha. A prorrogação por dois meses para o auxílio de emergência está focalizada em reportagem de Idiana Tomazelli, do Estado de São Paulo de ontem.

Bolsonaro sabe que na primeira vez que se criou a disponibilidade financeira aos segmentos de baixíssima renda, ele melhorou a sua imagem nos redutos atingidos pela fome, o que faz parte da campanha eleitoral de um presidente cuja administração começou em 2019 e já no ano seguinte, em 2020, lançou-se candidato à reeleição nas urnas de 2022.

SEM PROJETO –  A movimentação de Jair Bolsonaro revela que ele joga tudo em sua manutenção no poder. A democracia para ele é apenas um caminho, não é um princípio legítimo de governar o país. O seu governo continua sem projeto, permanece sem uma definição ideológica, a não ser a sua consolidação na direita e a sua preocupação em unir sua corrente com todas as outras que se opõem à atuação das faixas de esquerda, 95% das quais vinculadas ao centro-esquerda. Claro, porque ninguém poderá supor, o que seria uma absurdo, que João Doria, Tasso Jereissati, Marina Silva ou Ciro Gomes possam ser incluídos em posições extremistas.

Nessa altura dos acontecimentos, o extremismo é reservado para aqueles que buscam qualquer resultado desde que permaneçam no poder ou cheguem a ele de que forma for. O comunismo no mundo desabou desde o episódio do ultimato do presidente Kennedy ao líder da então União Soviética, Nikita Khrushchov. Foi o caso da retirada dos mísseis russos nas águas cubanas há 40 quilômetros da Flórida. A partir daí houve um encontro de posições, sendo que o capitalismo participou velozmente das decisões de Moscou e de Pequim.

“TIGRE DE PAPEL” –  As linhas russas e chinesas cobrem hoje grande volume da riqueza mundial. Veja-se, por exemplo, as compras de obras de arte por empresários russos e chineses. O comunismo virou o “tigre de papel”, antiga expressão proferida por Mao Tsé-Tung no desafio da Guerra da Coreia. A Guerra do Vietnã viria dez anos depois dos mísseis em Havana. Aliás, devo frisar que no mundo só existe um sistema econômico: o capitalismo. A diferença é que uma coisa é o capitalismo privado, exemplo dos Estados Unidos, e o capitalismo praticado em Pequim e em Moscou.

A extrema-esquerda agora só se pratica em Cuba e na Coreia do Norte. De fato, a diferença situa-se entre um plano e outro, mas os métodos de ação são os mesmos, uma aproximação com o poder. A aproximação com o poder explica a influência da constelação de interesses de um lado e de outro.

Em relação à extrema-esquerda pode-se dizer e contrapor o título de Ian Fleming autor do 007: “Os diamantes são eternos”.  Foi uma ilusão marxista acreditar que a humanidade pudesse viver sem as jóias da riqueza. Mas isso demonstra o fracasso de uma profecia. A realidade no campo político não é focalizada nitidamente pela profecia, ao contrário.

SUCESSÃO PRESIDENCIAL –  O panorama está exposto, iluminado por um segredo de cem anos e que se aplica a um prazo de dois anos, tempo suficiente para ocorrer a sucessão presidencial no Brasil. Bolsonaro e os seus seguidores querem mudar a legislação e impor o voto impresso.

Trata-se de simples pretexto para o caminho e mais um período de poder, cujos defensores temem uma derrota para Lula da Silva. O sinal de alarme tocou e a corrida no convés também. Uma nau chamada democracia, sonho de todos nós, exceção de apenas uns poucos, pode não se confirmar no final da maratona brasileira.

14 thoughts on “Jair Bolsonaro avança e dispara sinal de alarme no convés da democracia

  1. O processo antidemocrático está em pleno aceleramento.
    Ontem na CPI, o líder do governo, senador Fernando Bezerra Coelho, fez um pronunciamento contra a Lava-jato, contra a Lei da Denúncia Premiada, contra os delatores, contra o Judiciário, raivoso porque no mesmo dia, foi indiciado pela Polícia Federal e teve seus bens bloqueados.
    No mesmo dia, o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros do Progressista do PR, membro do Centrão, ameaçou que podem descumprir decisões judiciais, porque a Justiça está avançando sobre prerrogativas do Executivo.
    O presidente do STF, Luiz Fux reagiu timidamente.

  2. Pedro do Couto, sua análise, se reveste de documento histórico.
    Tudo está sendo feito, para configurar um novo período Vargas.
    O projeto é esse. Os fatos estão aí, principalmente o ataque as urnas eletrônicas e o retrocesso do voto impresso. O voto impresso é mais fácil de manipular entre os prédios de votação até os edifícios do TRE aonde serão contados. Reside nesse biombo, nessa interface, uma nova Proconsult as avessas, na própria cesta dos impressos. Outra coisa, todos os candidatos que estão na iminência de perder, alegam que está havendo fraude. Trump agiu assim contra Biden. Alegou fraudes, que não foram comprovadas e estimulou a gang dele a invadir o Congresso americano. Pessoas morreram nessa aventura e nada aconteceu ao Ogro americano, que está flanando por aí, livre, leve e solto.
    Observem a defesa da deputada Bia Kics, a favor do voto impresso, na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados, ali é o norte do mais extremo do conservadorismo em voga no país.
    Quanto ao comunismo, que recorrem a ele para assustar a classe alta e a média, nada mais falso, pois com o fim da URSS e a guinada da CHINA para o capitalismo de Estado, esse sonho do coletivismo acabou. No Brasil, os comunistas não têm voto, são cada vez menores e nenhuma esperança de Poder. Como gostam de falar: chance Zero.
    Entretanto, quem preza pela verdade hoje em dia?

    • Quem quiser achar que seja torcida contra, sinta-se livre! Mas, no fundo mais profundo, lendo o meu tarô com o olhar mais otimista possível, não consigo vislumbrar Lula candidato.
      Parece tudo muito vago, disperso, atabalhoado, como um paciente que forçou a alta hospitalar e a qualquer momento pode ser reinternado às pressas. Algo sustentado só no “tomara-que-fosse”

  3. Democracia, sonho de todos nós??
    Esta democracia, aonde dentro da lei, o estado paga salários vinte vezes maior que o salário de um Operário??
    Esta democracia aonde, dentro da lei, este estado paga aposentadoria para filhas e netas de funcionários privilegiados??
    Quem sabe uma outro sistema ( Josè Dirceu falou que iria tomar o poder) com a esquerda ou com esta turma aí ( filhotes do Sílvio Frota), chegue num resultado menos desastroso.

  4. Caríssimo Nascimento,

    A atual situação do Brasil, caótica em todos os sentidos, teve o seu início tempos atrás.
    E começou com a tal redemocratização (antes que alguém me venha com quatro pedras nas mãos não estou querendo dizer que o regime de exceção foi bom)!
    O civil foi com muita sede ao pote, pois estava sem poderes há 21 anos.

    Observa, Nascimento, que não temos um presidente que podemos elogiar nesses 36 anos!
    Todos, sem distinção, erraram e feio, afora a corrupção que foi instituída e hoje é moeda corrente entre os poderes constituídos.

    A necessidade de tirar o PT do Planalto era tanta, que fosse Bolsonaro ou qualquer outro candidato que fizesse oposição a Haddad sairia vencedor.
    No entanto, a omissão e irresponsabilidade dos militares com relação à corrupção no Brasil, atualmente nos cobra este tipo de comportamento de Bolsonaro:
    Ou segue presidente ou não teremos eleições, pois Lula volta a ser a sombra que escurece a vista da direita e das FFAA, que não quis destituí-lo quando deveria, em face dos roubos contra o povo e País!

    Bolsonaro tem sido acatado pelos militares porque mil vezes um ex-oficial que o petista no poder de novo.
    Não existe possibilidade de generais serem comandados por Lula, após as suas condenações e provas contundentes do esquema de propinas existentes nas mais variadas áreas brasileiras, a começar pelo STF!

    Se a democracia está ameaçada, na verdade nunca a tivemos na sua plenitude, a verdade é esta!

    O regime brasileiro é impositivo, a ponto que as eleições são obrigatórias. O lema que segue o Estado é que devemos obedecer e outorgar poderes, haja vista a exclusão do povo quanto às decisões que são levadas a efeito sem qualquer consulta direta.

    O congresso é usado porque o Executivo sabe que lida com corruptos, vendilhões, com parlamentares desonestos, que se vendem por secretarias, ministérios, diretorias, e que também desobedecem a vontade até de seus eleitores.

    A função constitucional do parlamento jamais foi obedecida, que é fiscalizar o Executivo, justamente porque é mais interessante negociar que determinar.

    Agora, o retorno do autoritarismo no Brasil um dia teria de acontecer. O problema deste ressurgimento é que acontece no pior momento da nossa História, com os piores membros possíveis e imagináveis que constituem o Executivo, Judiciário e Legislativo, e na pior situação social que nos encontramos!

    Digo mais:
    Tende a piorar mais ainda o caos político, social e econômico, se Bolsonaro interromper as eleições porque não quer – assim como outros segmentos – admitir a possibilidade do retorno de Lula ou, nessas alturas, para quem for!
    Se esse autoritarismo que deseja o atual presidente, escudado por parte das FFAA, inclusive com uma boa parte da sociedade que se armou para evitar o retorno da esquerda, e que está disposta a lutar para isso, também alcançasse a excessiva liberdade parlamentar em termos salariais, despesas de indenização mais auxílios pecuniários variados e exóticos, até que não seria tão repudiável. No entanto, caso Bolsonaro lograr êxito na sua intenção, a verdade é que o parlamento terá mais mordomias, regalias, privilégios e penduricalhos que nos dias de hoje, enquanto haverá mais pobreza e miséria neste País, afora a violência, uma educação deprimente e saúde pública deteriorada!

    O quadro que se apresenta é dantesco, que não oferece não só resistência quanto modificação.
    As eleições estão comprometidas;
    O congresso aplaudirá e apoiará esta decisão porque os parlamentares serão beneficiados com esta medida;
    O sistema não mudará, pois continuará sendo hediondo com o povo;
    A corrupção seguirá sem nenhum tipo de combate;
    A população brasileira está à mercê de bandidos e criminosos, que tomaram o poder mais uma vez do povo!

    O futuro do cidadão e desta Nação está envolto em manipulações, e será controlado por interesses e conveniências dos poderes constituídos!

    Por último, também não acredito que as esquerdas irão se reunir para combater essa ditadura ocasional, cuja intenção é impedir que o governo caia nas mãos de quem as FFAA e a direita não concordarem.
    Não só não possuem condições, como dificilmente arregimentariam voluntários que lutariam contra o próprio povo, até porque este atual governo soube como obter aliados para enfrentar esse suposto problema:
    PMs nacionais, milícias e pessoas bem armadas que apoiam Bolsonaro.
    Não há a menor chance de vitória ou de mudança.

    Solução?
    Não tenho a menor ideia porque constato como inexorável o que se avizinha para nós.
    E como o autoritarismo que se aproxima é de direita, boa parte do mundo vai concordar, diante do avanço da esquerda em muitos Países.

    Chegamos aquele fundo do poço tão comentado:
    Morto por ter cão, morto por não tê-lo.

    Abraço, Nascimento.
    Saúde e paz.

    • Saúde para você também Bendl.
      Data Vênia, não estou entrando agora, no mérito da dicotomia entre Bolsonaro versos Lula. Quem vai ganhar em 2022 ou não.
      O problema é o drama que vivemos, com quase 500 mil brasileiros, que não tiveram chance de vencer o vírus, porque um grupo das sombras apoiou a imunidade de rebanho:Todos pegam o vírus, os mais fracos morrem e todos os sobreviventes ficam imunizados, além de indicação de medicação do Kit que não serve para nada.
      Qualquer um que for eleito pelo povo, passa a ser Comandante Supremo das Forças Armadas e deve obediência ao presidente. Não é o que Bolsonaro cansa de afirmar?
      Só para lembrar, Lula governou oito anos, sem nenhuma rusga com os comandantes. Inclusive chamou Nelson Jobim para Ministro de Defesa. Olhem o exemplo atual?
      Não defendo a volta de LULA, que já teve o seu tempo de Poder, mas, por dever aos fatos, não há paralelo com o que estamos passando agora. As vezes dá vontade nem de escrever mais, de tantas coisas negativas, em todos os sentidos.
      Muita tristeza e um medo, do terror voltar com toda sua carga.

  5. Imagina só a situação dos pobres, miseráveis, desempregados e assalariados com o Mínimo:
    preços nas alturas e este pessoal sem poder de aquisição!!

    Che, isso não poderá acabar bem, a verdade é esta.
    A União Soviética ruiu porque não tinha como sustentar o povo, pois faltava até carvão para aquecer as casas no inverno!

    Não estamos longe desta situação, ainda mais nas grandes cidades, onde mais se vê a quantidade de desvalidos e de desempregados.

    O “guru” Paulo Guedes, se esforça cada vez mais para afundar o Brasil, e eliminar uma boa parcela da população pela fome!

    Definitivamente isso não é governo, mas outra pandemia travestida em seres humanos!

  6. Sobre análises e artigos de Pedro do Coutto:

    Enquanto o governo narcomiliciano-“cristão” assume cada vez mais o autoritarismo e as forças armadas se põem de quatro para um presidente emasculado de qualquer senso de honestidade – os artigos e análises de Pedro do Coutto têm lançado luzes para melhor compreensão dessa neo-Idade das Trevas que assola nosso país.

    Neo-Idade das Trevas, diga-se com todas as letras:

    oriunda de eleitores-cúmplices terem guindado à presidência da república um notório criminoso perverso, ladrão e cultuador da tortura.

    Parabéns, Pedro do Coutto!

  7. O grande jornalista Pedro do Coutto continua bebendo nas fontes poluídas da gande imprensa, por isso não deve saber que no Brasil:
    – existe um parlamentar preso em flagrante delito, no meio da noite, por “crime de opinião inafiançável”. Não foi Bolsonaro que mandou prendê-lo;
    – um jornalista teve a sua residência invadida, seus meios de trabalho foram confiscados, ele foi preso na frente da família, na prisão “sofreu” um acidente e está semi-paraplégico, e a sua defesa não tem acesso aos autos do processo. Não, não foi Bolsonaro que mandou prendê-lo;
    – uma cidadã foi presa por se manifestar pacíficamente contra o STF (supremo tribunal de facínoras). Não, não foi o Bolsonaro que mandou prendê-la.
    – vários parlamentares são investigados num inquérito incostitucional e tiveram as suas vidas devassadas. Não, não foi o Bolsonaro.

    O Sr Pedro do Coutto, preocupado com o Bolsonaro, esquece de olhar para o outro lado, aquele onde se vê o escritório do crime organizado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *