Moro não foi julgado, mas linchado, pois não teve nenhum direito de defesa

Lava-Jato ironiza Gilmar Mendes e diz que as críticas dele não passam de “devaneios” - Flávio Chaves

Charge do Pataxó (Arquivo Google)

Carlos Newton

Foi o delegado federal Márcio Alselmo que descobriu, a partir de irregularidades num posto de gasolina em Brasília, a ponta do iceberg que ocultava a corrupção na Petrobras, dando início à Lava Jato, que se transformou na maior operação mundial contra desvio de recursos públicos.

Na época, jornalistas e analistas políticos passaram a fazer comparações com a operação Mãos Limpas, desfechada na Itália nos anos 90.  E advertiram que os políticos, magistrados, empresários e servidores públicos envolvidos iriam reagir e encontrar brechas por onde pudessem garantir a impunidade dos criminosos de elite que se locupletaram com  recursos da Petrobras e de outros órgãos públicos. E não deu outra.

REAÇÃO FORTÍSSIMA – Os procuradores da força-tarefa da Lava Jato – na maioria, ainda muito jovens, inclusive o coordenador Deltan Dellagnol – sabiam que a reação seria fortíssima, que teriam de enfrentar uma organização criminosa muito organizada e com capacidade de comprar consciências nos Três Poderes, subornar jornalistas e tudo o mais.

Junto com o então juiz Sérgio Moro, tinham a experiência fracassada do caso Banestado, quando o banqueiro Daniel Dantas fez aquela afirmação que entrou para a História: ” Só tenho medo da primeira instância, lá em cima a gente sempre dá um jeito”.

Mesmo assim, os procuradores abriram a guarda. Deixaram se levar pela vaidade, conforme ficou demonstrado nas gravações de celulares hackeados em Araraquara, um dos maiores redutos petistas de São Paulo, cujo prefeito desde 2017 é Edinho Silva, ex-ministro de Dilma Rousseff, mas é claro que isso é apenas coincidência.

DIÁLOGOS INFANTIS – Nas gravações, nada existe que possa comprovar conluio, parcialidade ou suspeição do juiz Sérgio Moro para condenar Lula da Silva.

Naquelas centenas de horas de gravações, há apenas uma escorregada do juiz Moro, quando sugere alguns depoimentos ao Ministério Público. Mas nem isso prova nada, porque juiz, procuradores e advogados costumam conversar sobre os processos, inclusive todo juiz é obrigado por lei a receber os advogados de defesa.

Mas o golpe foi tão bem armado no Supremo que a suspeição do juiz Moro foi julgada sem que ele tivesse direito de defesa, sem ninguém para arguir que o réu Lula da Silva é amigo íntimo de três ministros (Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli e Gilmar Mendes, que confessou essa amizade por ocasião da morte de Marisa Letícia).

SEM DEFESA – Moro foi linchado juridicamente. Além de não ter advogado, sequer foram apresentadas provas contra ele, nem mesmo selecionaram os supostos trechos das gravações que o indiciariam.

As acusações foram genéricas, todas elas fakes, feitas por Gilmar Mendes, que no Supremo funciona como advogado dos corruptos e distribui senha para libertá-los, no dizer irônico do ministro Luíz Roberto Barroso.

A única denúncia concreta foi o fato de ter determinado a condução coercitiva do réu, mas ninguém explicou que foi requerida pelo Ministério Público devido à ameaça de o PT causar tumulto e impedir que houvesse o depoimento.

DÚVIDA RAZOÁVEL – Além desse julgamento sem defesa, sobre a suspeição, houve também a outra decisão, acerca da competência da 13ª Vara, na qual Moro também não teve direito de defesa.

Nesse julgamento, sete ministros seguiram Fachin, o relator – Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes, Rosa Weber, Dias Toffoli, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowsi e Gilmar Mendes.

Foi 8 a 3, com Nunes Marques, Luiz Fux e Marco Aurélio Mello a favor da competência de Moro.

INCOMPETÊNCIA – Mas acontece que Fachin, Moraes, Rosa, Cármen e Barroso – cinco votos – opinaram que a competência era de Brasília. Os ministros Moraes, Tofolli e Lewandowski disseram que a a competência era de São Paulo, enquanto Gilmar Mendes manifestava dúvida.

Esse fato de haver cinco ministros com uma posição (Distrito Federal) , três com outra (Curitiba), e três com mais uma opção (São Paulo) já é suficiente para anular o julgamento, através de embargos infringentes, com base na doutrina da dúvida razoável.

###
P.S. – Por fim, fica claro que a falta de competência não atinge o juiz Moro. É o próprio Supremo que se demonstra incompetente e tem a desfaçatez de conduzir importantes julgamentos sem permitir direito de defesa, sob a justificativa de que se trata de habeas corpus de terceiros. E ainda tem gente que chama isso aí de Justiça. (C.N.)

17 thoughts on “Moro não foi julgado, mas linchado, pois não teve nenhum direito de defesa

  1. Novamente CN vem com a mesma defesa incondicional de coisas ilegais. A justiça, antes de tudo, deve agir imparcialmente e de forma legal. Isso é basilar, mas alguns pregam que os fins justificam os meios.

    Certamente não é minha opinião e não fico calado quando essa questão é posta.

    • Infelizmente temos um STF composto em maioria de medíocres. Gente boa tem o que se chama auto-estima e não se vende por uma simples toga e o tratamento falso de excelência. E pior: alguns se vendem para um analfabeto outros para um Jumento.

  2. Chora CN.
    Moro terá sua chance de defender o indefensável, qdo Lula lhe cobrar os 580 dias de cadeia!
    Aí ele terá que apresentar pelo menos UMA prova que justificou sua decisão.

  3. O lula jamais cobrará de quem quer que seja, os tais 580 dias de cadeia. O motivo é singelo, ele sabe por que foi preso e porque ou por quem foi solto.
    Pois é, não tem aquela “matéria” que se diz que quanto mais se mexe mais fede? É justamente neste material que o lula não ira mexer, porque sabe ele melhor do que ninguém que a fedentina já esta grande demais, e não interessa a ele nem ao advogado, remexer a coisa.
    Essa história da anulação dos processos do lula, ainda terá desdobramento, a grande maioria da população brasileira nunca ira engolir o que fizeram e os que fizeram não são inimputáveis, um dia terão que prestar conta a alguém.
    Aquela “constituição” sonhada pelo Capistrano de Abreu, deveria ser adotada como regimento interno dos órgãos mais altos da administração pública brasileira.

  4. Carlos Newton, seu artigo ainda é ameno com relação à imundície que cobre o STF localizado na Candangolândia, a capital mundial da corrupção impune.

  5. Aprecio e apoio quando Carlos Newton escreve seus editoriais a respeito de Moro, e as injustiças que foram cometidas contra esse cidadão que desmascarou o maior golpe engendrado contra o País em todos os tempos.

    Lula e suas gangues roubaram o Brasil de cima abaixo, de um lado e do outro. Não restou espaço onde a sua corrupção não tenha sido infiltrada.

    Mas, o sistema imoral, antiético, injusto, tendencioso, falou mais alto, pois o Poder Judiciário se rendeu ao padrinho, ao benfeitor, ao amigo íntimo, Lula, ladrão e genocida!

    Seus seguidores defendem o ato inescrupuloso, vil, infame do STF alegando que a “lei” deve ser imparcial?!

    Curiosamente, a mesma “lei” foi deixada de lado por mais de cinco anos, até os afilhados de Lula perceberem a chance de anular as condenações de Lula e colocarem-no de volta à disputa pelo Planalto, “descobrindo” que o foro de Curitiba era “incompetente” para julgar e condenar o ladrão!

    Os ministros que condenaram Moro, justificando que havia sido parcial, enalteceram com a decisão prolatada odes ao cinismo e à hipocrisia!
    Nomeados pelo ladrão e genocida – dane-se a ética e a moralidade! -, sem qualquer pudor ou dramas em suas consciências foram categóricos, pouco se importando se, DA MESMA FORMA, agiam na igual dimensão e, até mais grave, sobre a suspeição de Moro.

    Pois é neste detalhe, de fundamental importância ao cumprimento da lei, e que alguns colegas tanto insistem, concordando com o crime praticado contra a honra e dignidade de um juiz corajoso e determinado, que NÃO FOI OBEDECIDA contra Moro!

    Mendes, Lewandowski e Cármen Lúcia, simplesmente cuspiram em sim mesmos e no STF que representam, deixando de se declarar SUSPEITOS, pelo fato de o “réu”, o ladrão e genocida Lula, ter nomeados os dois últimos!

    Para condenar Moro, a lei deve ser imparcial, obedecida ao pé da letra, isenta.
    Para inocentar Lula – bem, a lei pode ser flexibilizada, interpretada diferente, excluir as questões éticas e morais, ignorar seus crimes em danos e prejuízos ao povo e Brasil, que foram incalculáveis!

    Por favor:
    Mas os acusadores de Moro ou que não têm qualquer simpatia e apreço pelo que fez em benefício do povo e do País, aleguem o que quiser, desde culpá-lo da expulsão de Adão e Eva do paraíso, a deposição de Jango, por que o congresso é um antro de venais, que foi o inventor do vírus Covid19, que seja o assassino de 390 mil cidadãos brasileiros mortos pela pandemia, TODAVIA não me digam que a suspeição de Moro foi em bases legais porque estipuladas na lei, quando foi escancarado o comportamento condenável de seus algozes!!

    Mais:
    Que se “fundamentaram” – eu diria que se AFUNDARAM – pelo uso CRIMINOSO de escutas obtidas ilegalmente através de hackers, que a própria Polícia Federal foi categórica em dizer que não se podia dar autenticidade às conversas obtidas pelos bandidos!

    Convenhamos, o dia que a Segunda Turma se reuniu com a intenção clara e resoluta de depreciar a imagem de Moro, na razão inversa que elogiava a capacidade de sacrifício de Lula porque preso por 580 dias, Mendes teve chiliques, chorou, Lewandowski bufava de raiva, Cármen Lúcia mudava até o seu voto anterior – pois esta data deveria ser lembrada como o DIA DA INJUSTIÇA, de quando a honra, dignidade, moral e ética, literalmente foram atropeladas por conveniências e interesses pessoais de alguns ministros do Supremo Tribunal Federal!

    Fiasco absoluto, cenas abjetas, pantomimas mal ensaiadas, atores canastrões, falsidade plena, cinismo e hipocrisia em pleno ápice, foram os recursos “legais” utilizados pelo trio de irresponsáveis, de manipularem as leis em benefício de seu amo e senhor!

    Parabéns, Newton!
    Tens o meu amplo, geral e irrestrito apoio neste escândalo sem precedentes na história do Judiciário brasileiro.

    Enquanto não se mudar o processo vergonhoso, mal intencionado e depreciativo, de o presidente da República nomear quem quiser para a Alta Corte, ainda veremos espetáculos desta natureza, de baixeza, vileza, sordidez, e bofetadas na cara do povo!

  6. O tal stf sempre esteve com a operação Lava Jato, entalada na garganta.
    Esta operação fez mais em 3,. 4 anos, do que o tal, em toda sua existência.

    A coisa piorou, quando a investigação chegou nestes inúteis.
    Qdo Gilmar Beiçola e Toffoli, viram as investigações chegarem nas suas respectivas esposas, entraram em pânico e partiram para o confronto direto.

    Só….

  7. Quando o C.N. irá largar a alça do caixão?
    Como fez com o Aécio, Cunha, Temer e Bozo.
    Aliás, ainda verei uns que hoje criticam o palhaço, amanhã votando no mesmo em segundo turno.
    As escondidas é claro.

  8. Como sempre, dois pesos, duas medidas:

    para os “meus” gurus ou afins a complacência, o “olhar de paisagem” para os pecadilhos e para os piores crimes;

    para os “meus” inimigos, adversários ou simplesmente pessoas com quem não simpatizo os rigores da Lei, mesmo quando as provas forem obtidas à margem da própria Lei, ou até inexistam.

    Moro sempre foi lacaio dos banqueiros:

    vide Banestado;

    e quando da primeira tentativa de delação premiada de Palocci que incriminava o sistema financeiro;

    não me entenderei noutros aspectos pois me sinto contemplado em parte por comentários anteriores.

    Nota: quanto ao guru-mor da Exquerda, Lulla, na minha percepção é inegável que se trata de um TRAIDOR abjeto da classe trabalhadora. Um infiltrado desde a ditadura milico-servil, “afilhado” de Emílio Odebrecht sob as bênçãos de Golbery & cia para barrar a ascensão de Brizola.
    Mais: Lulla foi o maior responsável pelo solapamento dos instrumentos populares de luta democrática (sindicatos, centrais, associações e movimentos).
    Pra finalizar: Lulla é um autêntico “sobrevivente” e representante da pior farsa que mantém privilegiados e miseráveis intocados ao levar avante a “conciliação de classes” – acordão entre o cutelo do carrasco e o pescoço nu.

    Espero que Lulla tenha uma vida muito longa. Que seja condenado por todas as suas falcatruas. Que seja desmascarado perante a classe trabalhadora e seja inscrito na História como o traidor que efetivamente é.

  9. Precisas te definir, Batista Filho.

    Moro condenou Lula, fazendo a sua obrigação como juiz, diante das provas colhidas, testemunhas, oitivas, inquéritos e investigações.
    Demonstrou para o País e mundo, o maior golpe dado por um presidente de uma nação na história.

    Tuas afirmações sobre Moro podem estar erradas por que não?
    Se corretas, o ódio dos ministros contra Moro teria sido motivo mais que suficiente para aumentar a sua depreciação pessoal junto aos seus algozes, não te parece?

    Se, o ex-juiz, lá pelas tantas, encontrou um “atalho” para condenar o ladrão e genocida, ótimo, palmas pela sua esperteza!
    Agora, discordarei sempre daqueles que tentam dizer que Moro é um criminoso, pois mentira torpe, caluniosa e difamante.

    Moro cumpriu com a sua obrigação, para mal-estar de uns e outros.

    Essa lenga-lenga de ter sido suspeito nos processos de Lula, trata-se de uma forma encontrada para discordar de suas condenações, haja vista terem sido “descobertas” depois de hackers terem obtido CRIMINOSAMENTE seus diálogos com procuradores de Justiça.

    Ora, ora, “olhar de paisagem” posou para as fotos o Supremo, que inventou irregularidades praticadas por Moro, de modo a salvar o padrinho e benfeitor, amo e senhor, Lula!

    Não fosse a atuação corajosa e destemida de Moro, Lula ainda estaria roubando o povo e Brasil, para gáudio de us e outros, porém desespero para a maioria lesada e prejudicada.

    Em nome da JUSTIÇA, menos de leis forjadas e mal interpretadas, Moro terá sempre o meu apoio amplo, geral e irrestrito.

    Agora, para quem gosta e se diz “garantista”, dane-se a Justiça, e loas às normas vigentes que possibilitam que delinquentes sejam inocentados.

    A meu ver, a JUSTIÇA é muito mais importante que qualquer lei existente!
    Prova do que afirmo?
    A Lei de talião.

    Originário do latim “Lex Talionis”, significa lei de tal tipo, condizendo com a ação na devida proporção da agressão.
    A justa reciprocidade do crime e da pena.
    Tal pena para tal crime.
    O mal que alguém faz a outro, deve retornar a este, através de um castigo imposto, na proporção daquele mal.

    Lula sendo solto através de artifícios “legais” obteve Justiça?
    Evidente que não.
    Logo, em cima de Moro, que não roubou o povo e País, Lula quer encontrar Justiça,?
    E aquelas milhões de pessoas que Lula prejudicou?
    Tiveram a devida Justiça pelos prejuízos suportados?
    Também não.

    Então que merda de Justiça é esta, que Lula logrou êxito, se os prejudicados e quem descobriu os seus crimes foram injustiçados??!!

    Olha só a contradição e paradoxo:
    Se me responderes que Lula e Moro devem ser punidos, me diz aonde está a punição de Lula, livre, leve e solto, e a postos para disputar outra eleição?
    Moro julgado como parcial foi punido, e quanto ao ladrão e genocida?
    Fica por isso mesmo?
    O principal era tirar Moro de cena, é isso?
    Lula é só uma espécie de guarda-chuvas?

  10. Pois é, tem mais essa ainda.

    Afora Gilmar Mendes ter aconselhado que a defesa de Lula entrasse com pedido de indenização pelos 580 dias na cadeia!

    Pois essa aberração jurídica dizem que é Justiça!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *