No Brasil, mergulhamos na Era da Incerteza e não há nenhum luz no final do túnel

Coronavirus | Brasilien Trauer um Covid-19-Opfer

Recordista mundial em covid, o Brasil jamais foi tão inseguro

Carlos Newton

Como acontece habitualmente, há dias em que somos tomados de enorme desânimo. É um sentimento depressivo normal, porque os hábitos modernos de consumismo transformaram a vida numa desesperada busca de felicidade material. Mas isso é inatingível, sobretudo em época de pandemia. Assim, no Brasil em que hoje vivemos, a felicidade somente é encontrada por imbecis que não se importem nem se preocupem com a desgraça alheia.

Antigamente, a vida era mais simples. Como diz nosso amigo Celso Serra, grande advogado e economista, ninguém se julgava importante, aqui no Rio de Janeiro os ministros do Supremo e parlamentares pegavam o bonde para ir ao trabalho, como qualquer outro cidadão.

ERA DA INCERTEZA – O genial economista e pensador canadense/americano John Kenneth Galbraith classificou a época atual de “A Era da Incerteza”, título de seu primeiro livro, em 1977. Quando veio ao Brasil, era um homem tão simples que aceitou dar entrevista à modesta TVE de Gilson Amado e nem pediu condução.

Depois de entrevistado pelo jornalista e historiador Cláudio Bojunga, neto de Roquette-Pinto, levamos Galbraith até a saída e foi engraçado ver aquele magrela de quase dois metros de altura, todo desengonçado, tentando entrar num táxi fusca.

Até hoje vivemos na Era da Incerteza. A evolução tecnológica é extraordinária, mas não se consegue solucionar a miséria e o abandono em que vivem bilhões de pessoas. 

DESIGUALDADE SOCIAL – Economistas do mundo inteiro, como Armínio Fraga e André Lara Resende, já chegaram à conclusão de que o maior problema é a crescente desigualdade social, movida pelo egoísmo e pela ganância.

O resultado disso tudo é a infelicidade reinante. Com a pandemia, no mundo inteiro, viver é um sofrimento. Existem apenas meia dúzia de países europeus onde se pode encontrar uma melhor qualidade de vida, por haver distribuição de renda e um atendimento médico-social de nível satisfatório.

No resto do mundo, especialmente nos países subdesenvolvidos, reina a incerteza, instalada pela insegurança no trabalho, na assistência à saúde e na própria vida, em meio à criminalidade que domina os poderes constituídos e as ruas. E não há vislumbre de solução. Quando a pandemia passar aqui no Brasil, encontrará terra arrasada.

Eis a nossa realidade. A geração que governa este país, à qual pertenço, fracassou pateticamente e não há luz no final do túnel.

###
P.S. – O governo Bolsonaro já acabou, mas esqueceram de comunicar a ele. Daqui para frente, com a CPI da Pandemia e as pedaladas e maquiagens fiscais no Orçamento, o impeachment passa a entrar na ordem do dia civil e militar. Será uma chatice igual à queda de Dilma Rousseff, aquela que foi, sem jamais ter sido. (C.N.)

 

14 thoughts on “No Brasil, mergulhamos na Era da Incerteza e não há nenhum luz no final do túnel

  1. Não compreendo a paciência dos brasileiros. Como esse povo consegue aguentar um boçal inteiramente despreparado no comando desse país? É preciso tirar esse sujeitinho daí. JÁ !!!

    • 1) Licença,.. li alhures que o escritor Lima Barreto, teria dito “O Brasil não tem povo, tem público”.

      2) Nossa população, a grande maioria, está mais para figurantes em programa de auditório.

      3) A prova é o sucesso dos BBBs, talk shows e afins. Tudo em função do “entretenimento”. Até telejornal é diversão/distração…

    • A imprensa brasileira, maior traidora do país, já que essa mídia trabalha para interesses estrangeiros, tira todo o pensamento nacionalista do povo, o povo começa a não ter mais identificação com o país e a nossa história, nossa “acadimia” ajuda nesse ataque a nossa história e ao nosso povo, e depois reclamam do por que o brasileiro não se manifesta?!
      Não se esqueça que entre 2013 até a eleição do Bozo, os brasileiros foram manipulados a acreditarem que estavam fazendo aquele teatro todo pelo país.
      Usaram o sentimento nacionalista do brasileiro, que ainda é forte, para práticas nefastas de entreguismo.
      Somente o pensamento nacionalista pode reerguer esse povo brasileiro e esse Brasil.
      Mas acredite: a nossa mídia entreguista que trabalha para interesses estrangeiros vai fazer de tudo para que isso não aconteça.

  2. Todas as mazelas que acometem o ser humano, são verdadeiramente frutos da ignorância.
    Acumular riquezas que nunca vai usar, ou precisar, que não levará no caixão, e que tem como origem apenas a ganância, é que promovem a instabilidade social.
    A riqueza em demasia acumulado por uns, e que faz falta a outros, causa a miséria, a revolta e principalmente a criminalidade. Os despossuídos não tem por que respeitar as posses alheias, já que os “possuidores” também não respeitam os que nada tem, e não abrem mão de pelo menos parte de suas riquezas.
    Falar em socialismo no Brasil, é puro exercício de humor negro, porque os pseudos socialistas receberam do povo o direito de governar e implantar os métodos por eles aclamados, mas uma vez no governo, passaram a fazer justamente tudo aquilo que combatiam.
    Os 13 anos de lulismo e petismo, foram acintosamente um plágio do clássico ” a revolução dos bichos” de George Orwell, sem tirar nem por.
    Resultado do desgoverno daqueles que prometiam o céu mas entregaram o inferno. Jair Messias Bolsonaro, com a agravante de terem deixado ainda uma “caveira de burro” enterrada em Brasília, ou seja, um composição do STF, totalmente avessa ao atual governante, que tem infinitamente mais atrapalhado do que ajudado.
    Governar já com pouca inteligência, ainda acossado por partidos nanicos mais interessados em criar problemas, e que a tudo recorrem a suprema corte, tendo seus pedidos quase todos atendidos, fica difícil se imaginar que sairemos da atual situação, haja visto que o interesse público há muito foi abandonado.
    Os países onde se conseguiu algum progresso socializante, tem populações homogêneas, que convivem a muitos séculos e principalmente passaram por grandes adversidades e aprenderam a viver, diferente de nós, que temos gente descendente de todos os povos do mundo, e que a maioria sequer reconhece o pais como sua pátria e ainda conservam os ideais dos antigos imigrantes, enriquecer e voltar ao pais de origem.
    Acredito que o Brasil jamais será um pais organizado, o máximo que conseguiremos, é isso que ai esta.

    • Uma correção, seu Jair nunca prometeu o céu, mas sim o inferno para os trabalhadores, para as minorias, e por ai vai….

      Quem votou nele sabia muito bem disso. Jair representa muito bem seus eleitores, que desejam o céu para si, e o inferno para os demais.

      • Mais um?!

        Somos 57 milhões de cidadãos completamente birutas?
        Sabíamos de todos os males que Bolsonaro iria cometer e, mesmo assim, o elegemos??

        E vocês fizeram o quê?
        Por que não impediram que Bolsonaro fosse eleito?

        Che, vocês que andam arrotando que não votaram em Bolsonaro, foram os culpados pela sua eleição!!
        Votaram em quem?
        Que maioria é essa, que deixou de lado 42 milhões de votos brancos, nulos e abstenções, mais 47 milhões dados ao Haddad?
        Quase 90 milhões de votos literalmente jogados fora?

        E querem responsabilizar os 57 milhões que votaram nesse que aí está??

        Mais consciência, por favor, e não tentarem tirar o corpo fora.
        Deixem de culpar o eleitor, e responsabilizem quem deve ser o causador de nossos males.

        O inimigo é outro, e não o eleitor.

  3. O comentarista de nome chinês concluiu com exatidão até onde o Brasil vai chegar.
    Não só já chegamos ao nosso destino, como é esse que nos faz penar, sofrer e padecer.

    Discordo, respeitosamente, quando atribui parte do nosso caos atual aos imigrantes. Se atingimos um ponto de industrialização, agricultura, comércio e serviços, devemos muita a essas pessoas que se deslocaram de seus países e vieram em busca de oportunidades e assentamento.

    Aliás, seria interessante que um dia tivéssemos um estudo que abordasse quantos imigrantes saíram do país, e não necessariamente que tenham retornado às suas nações de origem.
    Acho que foram muito poucos.

    A questão é que precisamos entender, e de acordo com a nossa passividade, que não temos como sair dessa crise que nos encontramos há tempos.
    Atingimos essa estagnação por nossa culpa, tanto como povo quanto cidadão. Deixamos de nos interessar pelo país, por nós mesmos, pela sociedade, com o Brasil sendo dilapidado à base de roubos, explorações e manipulações das autoridades tendo como alvo a população, que deveria manter os poderes constituídos com salários milionários, privilégios, mordomias, regalias, penduricalhos e, principalmente, IMPUNIDADE!

    Se o Brasil hoje está nesta situação caótica, para dez ou quinze milhões de habitantes, o país é o melhor do mundo para viver!
    Diante de terem consigo o poder, a legislação e a justiça, evidentemente que jamais irão mover uma palha em benefício do povo.
    O governo de Bolsonaro é a prova cabal do desprezo e abandono que fomos submetidos.
    Reclamamos?
    Protestamos?
    Mostramos nossa revolta e indignação?
    Nada, ficamos quietos como crianças quando sujam as fraldas.

    O que me surpreende e negativamente, é que mesmo com 350 mil mortos pela pandemia, projeções e previsões de meio milhão de vítimas fatais até julho, e temos um presidente que quer sair na porrada com ministros do STF!

    Diante dessa tragédia que estamos sendo eliminados em quase três mil pessoas por dia, as autoridades discutem, debatem, batem boca, a respeito da instalação de uma CPI da pandemia.

    Na verdade, se quisessem mesmo descobrir o que há por baixo dos panos, o nome desta “comichão” deveria se chamar CPI do Pandemônio!

    • Grande coisa, Renato, grande coisa, saíres declarando que Bolsonaro foi eleito sem o teu voto.

      Com ou sem o teu sufrágio, também estás no mesmo barco, por mais que tentes te eximir desta eleição.
      Aliás, observo meio decepcionado, que alguns comentaristas acusam os eleitores, e isentam o culpado pelas nossas mazelas!

      O povo é o inimigo do próprio … povo
      Ora, ora, os poderes constituídos estão rindo às bandeiras despregadas, pois no lugar de nos unirmos em protestos, reclamações, exigências … ficamos nesta ronha de acusações entre nós mesmos.

      Convenhamos, a nossa estupidez, idiotice e imbecilidade, tornaram FHC, Lula, Dilma e Bolsonaro muito felizes.
      FHC ainda tem seus adeptos;
      Lula, seguidores, adoradores e sectários;
      Dilma, a nossa “presidenta” honesta;
      Bolsonaro faz das tripas coração para combater a corrupção, na ótica de seus apoiadores e pessoas que são inimigas ferrenhas daqueles que não abraçam a ideologia insensata, discricionária e segregacionista, que é a de direita.

      Erraste no passado, Ronaldo. Errei agora.
      Precisamos corrigir nosso rumo, menos nos digladiarmos por causa de ladrões, exploradores, manipuladores e criminosos!

  4. Fui me cuidando bem ao longo de todo esse tempo. Álcool, máscara PFF2…
    Enquanto países fecharam acordos antecipados de compra de vacinas com os laboratórios, o governo federal da união (Bolsonaro) dizia que não ia atrás das fabricantes, que se quisessem vender, que viessem ofender…
    O país que conseguiria vacinar 2 milhões por dia, com sua vasta rede de unidades de saúde, embora muito afetada nos últimos anos, por desinvestimento e fim de programas como mais médicos, agora se vê com limitação de vacinas, tendo que atuar contra pessoas que fura fila, desvia doses, além de erros por aplicação de doses trocadas…
    O vírus não espera… adaptar-se esta no seu gene. E se desenvolve a cada novo ambiente.
    Falavam que não gostava do clima dos trópicos. Não seria pareo para o sol de 40 graus. Mas de pouco em pouco veio e hoje, com pessoas ignorando as boas práticas para evitar o contágio e espalhar o vírus, aliadas do Bolsonaro e sua milícia, falta de responsabilidade total, vemos casos aumentando, unidades de saúde com falta de insumos e mais doentes precisando de atendimento.
    A solução tirar o Bolsonaro resolve, mas não resolve. O brasileiro é um problema sério.

  5. Data vênia caro C.N., permita-me discordar mais uma vez de você, o mito não vai sofrer impeachment, isto não dá em nada e é mais um trauma que a sociedade não quer passar novamente. O perigo não é somente a reeleição deste imbecil boçal, teimoso e arrogante, mas a volta do Lula 51, com um passado de corrupção nas costas. A nossa real salvação passa pela escolha de um terceiro candidato, não mais um outsider ao estilo do Trump. Ou um candidato anti-sistema como se apresentou o mito, mas alguém realmente livre, sem o rabo preso com ninguém .

Deixe uma resposta para Antonio Rocha Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *