No Dia do Trabalho, a homenagem de Chico Buarque e Milton Nascimento a um casal de trabalhadores

Milton e Chico, amigos e parceiros desde a juventude

Paulo Peres
Poemas & Canções

O cantor, escritor, poeta e compositor carioca Chico Buarque de Hollanda e seu parceiro Milton Nascimento, na letra de “Primeiro de Maio”, usaram o infindo lirismo para inverter os papéis diários do casal de trabalhadores que, neste dia, através do amor, personificarão a usina e a ferramenta tecendo o homem de amanhã. Essa música foi gravada por Milton e Chico no Compacto Cio da Terra, em 1977, pela Philips/Phonogram.


PRIMEIRO DE MAIO

Chico Buarque e Milton Nascimento

Hoje a cidade está parada
E ele apressa a caminhada
Pra acordar a namorada logo ali
E vai sorrindo, vai aflito
Pra mostrar, cheio de si
Que hoje ele é senhor das suas mãos
E das ferramentas

Quando a sirene não apita
Ela acorda mais bonita
Sua pele é sua chita, seu fustão
E, bem ou mal, é seu veludo
É o tafetá que Deus lhe deu
E é bendito o fruto do suor
Do trabalho que é só seu

Hoje eles hão de consagrar
O dia inteiro pra se amar tanto
Ele, o artesão
Faz dentro dela a sua oficina
E ela, a tecelã
Vai fiar nas malhar do seu ventre
O homem de amanhã

4 thoughts on “No Dia do Trabalho, a homenagem de Chico Buarque e Milton Nascimento a um casal de trabalhadores

  1. Depois que os movimentos sindicais começaram a marcar presença com maior peso, na esfera do Poder, nenhuma outra nomenclatura foi tão desvirtuada quanto a de TRABALHADOR. Notadamente, aquele ou aqueles do âmbito rural, uma parcela minoritária ainda é: os demais são apenas filiados e militantes da “causa”. Qual causa? A causa que leva um inútil a usurpar o Erário Público!
    Pescadores e Lavradores (Trabalhadores Rurais): como já servi ao INSS, posso afirmar: cerca de 65% daqueles que pleiteiam ou usurfruem um benefício previdenciário, só conhecem peixe e arroz no prato, mesmo aqueles cujo habitat é o campo.
    Muitas vezes, eu passava para checar cadastros e petrechos profissionais dos requerentes dalgunm benefício. Ali havia canoa a vela ou com motor de rabeta, redes de pescaria, tarrafas etc. Porém, se permanecesse 10 dias no vilarejo, constatava que raros moradores saiam para pescar, lá uma vez outra. Os quipamentos eram apenas para exibir, durante a fiscalização.
    CADA BICHO É DOUTOR EM SEU ESCONDERIJO: em conversa com fiscais do Banco do Brasil, para desmontarmos farsas juntos, destacávamos a esperteza dos caipiras, dentre as quais, esta: coboclos faziam quatro porteiras, na mesma roça, acessadas por picadas distintas. Quando o fiscal (de hábitos urbanos) chegava para avaliar a aplicação do empréstimo bancário, ele era levado por quatro “lavradores”, para visualizarem o mesmo plantio. Não precisa dizer que, de pelo menos três dos tomadores de empréstimos, a grana foi desviada para outras finalidades, que não a agrícola.
    Fazer um relatório, narrando a fraude, seria em vão: faltavam provas para consubstanciar; e sobravam advogados para defenderem o escroque.

  2. Nessa eu passo, porque no meu paço não há chão nem uso pá ou ancinho para ganhar o pão.
    Minha fazenda é minha mente, meu banco fica logo em frente – é só acessar a internet.
    Nasci assim, metido a besta, finjo que tenho tudo em minha cesta
    E não nego fogo na cama: durmo como um tronco, eu e minha ama! E acordo na hora que me der na telha. Meus filhos são as minhas unicas ovelhas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *