O poeta Antonio Cícero vê passar seu objeto de desejo, mas não consegue alcançá-lo

Antonio Cicero (Foto: Eucanaã Ferraz/Divulgação)

Antonio Cicero, grande poeta e compositor carioca

Paulo Peres
Poemas & Canções

O filósofo, escritor, compositor e poeta carioca, Antonio Cícero Correa de Lima, da Academia Brasileira de Letras, neste poema, em poucas linhas, tenta agarrar o “Desejo” passageiro.
DESEJO
Antonio Cícero
Só o desejo não passa
e só deseja o que passa
e passo meu tempo inteiro
a enfrentar um só problema
ao menos no meu poema
agarrar o passageiro.

4 thoughts on “O poeta Antonio Cícero vê passar seu objeto de desejo, mas não consegue alcançá-lo

  1. Só para passar tempo e porque o meu desejo deseja, vai aqui uma besteira passageira:

    Imagine se todas as mulheres fossem Marias,
    Se como flores só houvesse rosas vermelhas,
    Se não existissem tormentas mas só calmarias,
    E se não houvesse beija-flores nem abelhas.

    Não haveria as outras rosas, nem marias-sem-vergonha,
    Nem adálias, jasmins, nem flordelis e nem begônias.
    Pior de tudo: imaginem se não houvesse uma só mulata.
    Por certo não existiria a marcha de carnaval
    Que saúda com alegria a mulata que é a tal:

    “ô mulata, cor de canela, salve, salve, salve ela.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *