Organizadores de atos antidemocráticos já foram identificados, só falta achar os financiadores

Bolsonaro discursa diante do Forte Apache, QG do Exército

Aguirre Talento
O Globo

A Procuradoria-Geral da República (PGR) informou ao Supremo Tribunal Federal (STF) ter identificado os nomes dos responsáveis pela organização de atos antidemocráticos e ataques à corte. Agora, a PGR vai analisar os dados das quebras de sigilo bancário e fiscal para buscar identificar os financiadores desses atos.

A manifestação sigilosa, enviada nesta semana ao gabinete do ministro Alexandre de Moraes, tinha o objetivo de informar o ministro sobre os próximos passos da investigação. Moraes prorrogou o inquérito dos atos antidemocráticos por mais 90 dias na sexta-feira passada. Os nomes desses alvos identificados pela PGR são mantidos sob sigilo.

SIGILO BANCÁRIO – O vice-procurador-geral da República Humberto Jacques de Medeiros pediu autorização a Moraes para que seja compartilhado o sigilo bancário de alvos suspeitos, que já havia sido quebrado em um outro inquérito. Isso vai permitir o aprofundamento para descobrir os financiadores dos atos. O ministro está analisando o assunto.

A Polícia Federal havia concluído no fim do ano as diligências solicitadas inicialmente pela PGR, mas não chegou a apontar a ocorrência de crimes envolvendo os atos antidemocráticos. A PGR então analisou as provas colhidas na investigação e identificou os responsáveis por manifestações antidemocráticas realizadas em abril e maio do ano passado.

A investigação descobriu, por exemplo, os responsáveis por contratarem carros de som utilizados nos atos, dentre outros detalhes da organização dos eventos.

ATAQUE AO SUPREMO – A investigação detectou que os mesmos organizadores dos atos também foram responsáveis por um ataque com fogos de artifício contra o STF, realizado em junho do ano passado.

O inquérito dos atos antidemocráticos foi aberto em abril do ano passado a pedido da PGR após a realização de diversas manifestações marcados por pedidos de fechamento do Congresso Nacional e do STF, além de ataques à Constituição. A PGR apura a ocorrência de crimes contra a Lei da Segurança Nacional e outros delitos.

A suspeita da investigação é de uma ação orquestrada envolvendo políticos, influenciadores digitais e empresários para impulsionar esses atos. Dentre os investigados estão parlamentares bolsonaristas, que até foram alvos de quebras de sigilo.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Adendo necessário – a investigação chegou a identificar a participação do chamado “gabinete do ódio”, que funciona no terceiro andar do Planalto. (C.N.)

6 thoughts on “Organizadores de atos antidemocráticos já foram identificados, só falta achar os financiadores

  1. Um dos grandes financiadores do gabinete do ódio é o cartão de crédito corporativo do Demônio!

    Até as pedras sabem disso…

    Os outros já são os velhos colaboradores que tem grana e poder e estão sempre lambendo as bolas do genocida, sempre a espreita de ser dar bem em alguns bilhões de reais, via subsídios ou perdoando dívidas.
    Não vai ser difícil identificar os pilantras.
    Simples assim.

    JL

  2. Sempre Liberdade de Imprensa no Brasil, temos no Brasil e Merece Destaque aqui – SJMRJ Sindicato dos Jornalistas do Município do Rio de Janeiro ( Sindicato dos Jornalistas do Brasil ), SJMRJ para todos os Jornalistas do Brasil, SJMRJ desde 1954 no Brasil. 2021.

Deixe uma resposta para Ronaldo Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *