Polícia Federal revela plano de criação no Planalto de um órgão de ‘contrainformação’

Charge do Humberto (CBN / PE)

Deu no G1 e Jornal da Globo

Novos documentos do inquérito da Polícia Federal que investiga os responsáveis por atos antidemocráticos realizados no ano passado apontam que membros de um grupo bolsonarista discutiam com o ex-secretário de Comunicação da Presidência Fabio Wajngarten a criação de um departamento de “comunicação estratégica e contrainformação” para assessorar o presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto.

Nesta quarta-feira (10), o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, retirou o sigilo de mais uma parcela de documentos do inquérito.

DISSE JORGE – Em um dos trechos dos documentos, policiais destacam que em 14 de abril de 2019 um homem identificado somente como Jorge escreveu para o então secretário de Comunicação:

“Fabio, aquela ideia de comunicação estratégica e contrainformação. Na minha opinião, você deve criar um departamento para isso. Você já até concordou com a ideia. Vamos implementá-la?”

O ex-secretário responde: “Assim que minimamente estruturada a Secom [Secretaria de Comunicação], vamos implementar”.

DISSSOLVER O STF E O STJ – A PF também encontrou uma troca de mensagens entre o ex-deputado Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB, e o empresário bolsonarista Otávio Fakhoury.

Nas mensagens, eles discutem uma proposta para dissolver o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Superior Tribunal de Justiça (STJ). O empresário sugere “uma saída plebiscitária”. De acordo com os documentos, a ideia foi discutida por advogados e empresários aliados do presidente Jair Bolsonaro.

Uma das alternativas debatidas era a edição de uma medida provisória para garantir ao Executivo exclusividade para submeter temas a um referendo popular.

INCONSTITUCIONAL – Propor a dissolução do STF, mesmo que por plebiscito, é inconstitucional. Fakhoury reconhece dificuldades para a cassação dos ministros e fala na necessidade de apoio popular e das Forças Armadas.

A investigação também indica que verbas do governo federal podem ter abastecido sites bolsonaristas responsáveis por desinformação, propagação de discurso de ódio e mensagens contra a estabilidade democrática.

Por isso, a Polícia Federal afirma que é preciso aprofundar as investigações sobre o direcionamento de recursos da Secretaria de Comunicação Social do governo federal para financiar essas páginas. O avanço das investigações, segundo a PF, permitiria avaliar se há conexão de autoridades com a atuação desses sites para atuar contra a democracia.

FAVORECIMENTOS – Os investigadores apuraram se o governo criou filtros ou bloqueios que evitassem que a propaganda do governo fosse veiculada e monetizasse canais que difundem ideias contrárias ao estado democrático de direito, permitindo com tal prática que ocorresse o repasse de recursos públicos.

A Polícia Federal queria saber se o repasse se deu por culpa ou por dolo, com a ação ou omissão deliberada de permitir a divulgação da publicidade do governo e a consequente monetização ao conteúdo propagado.

A PF chegou a apontar a suspeita de vínculo entre o blogueiro Allan dos Santos, um dos alvos do inquérito, e o ex-secretário de Comunicação da Presidência Fabio Weingarten, com os fatos investigados sobre direcionamento de recursos públicos e patrocínio das páginas bolsonaristas para a divulgação de ideias antidemocráticas.

ARQUIVAMENTO – Cinco meses depois de ter recebido o material, a Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu o arquivamento do inquérito para os investigados com foro privilegiado, sem que tivessem sido realizadas diligências pela procuradoria para aprofundar as investigações.

O ministro Alexandre de Moraes, relator do inquérito no Supremo, já determinou que a PGR preste esclarecimentos sobre esse pedido par arquivar parte do inquérito.

O relator não estipulou prazo, mas disse à TV Globo que espera a resposta no máximo até o início da semana que vem.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Nada de novo no front ocidental, diria o escritor alemão Erich Maria Remarque. Tudo isso é sabido. O Jorge que aparece na reportagem chama-se Jorge Oliveira, é aquele major da PM que se formou em Direito, diz ser “jurista” e acabou nomeado ministro do TCU. E o tal do “órgão de contra-informação” realmente existe e hoje é chamado de “gabinete do ódio”. Apenas isso. (C.N.)

5 thoughts on “Polícia Federal revela plano de criação no Planalto de um órgão de ‘contrainformação’

  1. Convenhamos que até Hugo Chaves, que era Sargento, sabia o que queria e como conseguir os apoios necessários. Apoio do Congresso, apoio do Judiciário, apoio do exército e apoio do povo.
    Nunca conseguiu unanimidade claro. Mas o nosso CAPITÃO mais parece um recruta. Quanto mais se conhece mais trapalhadas aparecem.

  2. Criar um sistema de contrainformacao contra o Brasil seria validissimo. Mas o bosta do Bozo quer criar um sistema de contrainformacao para proteger a si mesmo e os filhos bozinhos.

    Aí não dá Bozo!

  3. Atos antidemocráticos, são “apenas ” todos os praticados pelos partidos de esquerda, travestidos de socialistas! que escondem serem, na verdade, Comunistas. Onde é que existe no mundo, um único regime de esquerda, cujo governo seja democrático? indiquem em quais Nações deste planeta terra!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *