Precisamos limpar o Supremo e os tribunais superiores

Francisco Vieira

Ao invés da PEC da Bengala para ministros ficarem até os 75 anos, é preciso fazer uma “expulsória” aos 60 anos, para limpar os tribunais superiores do estorvo que atrasa o Brasil. A PEC da Bengala não fará nada mais do que preservar o que não presta, por mais tempo. As tartarugas das instâncias superiores estão nos altos galhos do poder não por esforço e competência, mas porque foram ali colocadas por seus padrinhos políticos.

O nosso Poder Judiciário é tão podre que nem se discute se é ética ou não a aposentadoria de magistrado bandido que, embora postado em um gabinete, passou a vida trabalhando para o crime organizado…

Mude-se o Poder Judiciário e os senhores verão sobrar dinheiro público. Enquanto isso não for mudado, enquanto bandido não tiver medo de magistrado e enquanto magistrado não se dar o respeito e não tiver vergonha de apertar a mão de bandido nas confraternizações, solenidades e festas, não passaremos de burros de carga de uma grande fazenda.

SUPREMO DÁ EXEMPLO

A decisão do Supremo de conceder prisão domiciliar a acusados de participação no esquema da Lava Jato virou parâmetro e argumento para o juiz de Direito Wagner Carvalho Lima, da 2ª vara Criminal de Franca/SP, dar liberdade provisória a 20 réus.

Presos há quase seis meses, os acusados de integrar uma quadrilha especializada na falsificação e comercialização de defensivos agrícolas foram beneficiados pelo entendimento do magistrado de que os desvios da Petrobras configuram crime de maior gravidade. Na decisão, o juiz Wagner Carvalho Lima destaca que foi concedida a liberdade provisória “até porque não temos tornozeleiras à disposição”.

“Num país onde os integrantes de uma organização criminosa que roubou bilhões de reais de uma empresa patrimônio nacional estão em casa por decisão do STF, não tenho como justificar a manutenção da prisão do réu neste processo, que proporcionalmente causou um mal menor à sociedade, embora também muito grave”, argumentou o magistrado.

Como dizia Gilberto Gil: “Abram-se, cadabram-se as prisões…”

21 thoughts on “Precisamos limpar o Supremo e os tribunais superiores

  1. Olhem a Casa de Noca em que o PT transformou a independência dos poderes no nosso ‘republicanismo’….
    “Cabo eleitoral aplicado é Ricardo Lewandowski. O presidente do Supremo tem ligado para alguns senadores pedindo voto para Luiz Edson Fachin.

    Por Lauro Jardim

  2. A indicação para ministro do SFT é do Presidente e a aprovação deste indicado é das Vossas Excelências do Senado.

    Até hoje a entrevista do indicado era tipo Reunião de Bacana.
    Se gritar pega ladrão, meu irmão, Não fica um.

  3. Considero isso uma grosseria ao Dr Béja, que, vez por outra, vem – APESAR DE TER MAIS DE 60 ANOS- brindar-nos com sua sabedoria.

    O fato de estarem na Suprema Corte pessoas com as quais não concordamos não é fundamento para que se ataque outras pessoas de mesma faixa etária.

    “Est modus in rebus”, para quem aprendeu um pouco da língua morta.

  4. Muito boas a s considerações de Francisco Vieira sobre o judiciário.

    Por falar em crime, Pedrinho matador, que matou mais de 100, foi solto pela justiça.

    Que país.

  5. Eu não acredito mais na justiça brasileira, principalmente nas instâncias superiores. Onde observamos a indicação de diversas pessoas que não independência para fazerem julgamentos. Pois, uma grande parcela tem compromisso para com as pessoas que as indicaram. Para citar somente um, temos o Toffoli que foi indicado para o supremo pela sua relação com o pt. Competência ele não tinha, pois foi reprovado em concursos para juiz. Não acredito numa justiça que leva dezenas de anos para julgar uma causa. Veja o caso da Tribuna da Imprensa que tem uma causa que não me engano já tem quase três décadas e até agora não foi julgada. Não só no órgãos da justiça, como também no TCU temos diversos casos suspeitos.

  6. Já a Dilma,” tudo o que deveria ser limpo, já foi limpo” cortou em 30% o já combalido orçamento da PF. O PT criou o ‘arrocho produtividade’ !
    “Depois de todo o alarde feito durante a campanha de investimento na Polícia Federal, o governo Dilma vai tirar R$ 1,7 bilhão do orçamento da corporação. O valor representa cerca de 30% de tudo que estava à disposição da PF e gerou preocupação na Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), pois vai impactar, diretamente, as investigações e operações da PF.

    Segundo a ADPF, não faz sentido cortar quase dois bilhões de reais da PF, prejudicando a atuação dos policiais cujas investigações combatem os desvios de recursos públicos. Só no caso da corrupção na Petrobras, foram R$ 22 bilhões surrupiados, mais de dez vezes o que será cortado do orçamento da PF”.

  7. Votamos nessa gente e depois ficamos a lamentar com frases vazias tipo:
    – Só Deus pode nos salvar.
    – Só Jesus pode nos ajudar.
    – Com fé em Deus dias melhores virão.
    – Só Deus, se a gente depender destes políticos estamos fritos.
    – Um dia os maus prestarão contas a Deus.

    Seus tolos, Deus tá nem pra ocês.
    Como dizia meu conhecido lá nos anos 80, “só quem tem medo do castigo de Deus é pobre”.
    Ajuda divina? Deus castigar os maus políticos? Esperem sentados seus bobos.
    Como bem disse Napoleão: “A religião é uma excelente arma para manter o povo quieto.”

  8. Um país que idolatra um inútil e elege-o o maior brasileiro de todos os tempos quer o que? QUER VIVER NO ATRASO.
    Um povo que elege chutadores de bola, atores de novela, pessoas que fazem humor pastelão, dançarinas de Funk/Pagode, sindicalistas oportunistas e preguiçosos, cantores, apresentadores de programas de auditório e todo tipo de celebridades como seus representantes quer o que em troca? MAIS ATRASO.
    Um povo que elege como seus representantes políticos já conhecidos como Ficha Suja quer ter um Brasil melhor? NÃO.

    ENFIM: Um povo que continua votando no partido mais corrupto do Brasil em todos os tempos quer o que? MAIS ARROCHO PARA OS POBRES.

  9. Pingback: Precisamos limpar o supremo e os tribunais superiores | Debates Culturais

  10. Caro Malthus,

    Eu não julgo as pessoas pela idade, mas pelo caráter. Também sou um admirador – e leitor – dos didáticos artigos do Dr. Béja.

    Quando fiz menção aos 60 anos, não quis dizer que as pessoas a partir dessa idade sofrem uma “mudança de caráter” ou decrepitude moral, pois acredito que o caráter, depois de certa idade, seja imutável, conforme eu já pude constatar nos antigos amigos de infância, hoje idosos; quando muito, os inconvenientes se adaptam ao meio em que vivem para não sofrerem as punições das pessoas próximas. Mas a semente de “laranja azeda” não mudou. Quem teve virtude e responsabilidade aos 15, 30 ou 60 anos, as terão, também, aos 100 anos.

    -Além disso, o que te garante que a minha idade seja menor, igual ou maior que 60 anos?

    Não se esqueça que neste espaço conhecemos as pessoas “de dentro para fora” e a idade, o sexo, a aparência, o patrimônio e até mesmo o verdadeiro nome não significam nada aqui. Só sabemos dos participantes o que eles deixam transparecer, voluntariamente. Quando, fruto do acaso, comecei a dar “palpites” neste espaço, o Jornalista nada perguntou sobre a minha vida pessoal ou se eu fazia parte da “elite de olhos azuis”. Aqui, civilizadamente, “vale o escrito”, mesmo que não seja do nossa acordo.

    Quanto à crítica ao Supremo, apenas “sugeri” que deve ter alguma coisa errada com aquela Casa: Sabendo que todos os ministros foram ali colocados por padrinhos, que a maioria desses padrinhos respondem a processos na Justiça e que, ao longo da história nacional, não condenaram “nem cem” bandidos à cadeia, mesmo com a ETERNA FARTURA DE DELINQUENTES NO PAÍS, melhor seria se a velocidade da permuta dessas autoridades fosse aumentada, e não diminuída! Quem sabe, por acaso, nessa mudança de velocidade, não cairão naquele importantíssimo Tribunal PESSOAS MENOS ALHEIAS A NOSSA REALIDADE e não precisemos esperar outros 500 anos para sermos um país justo?

    Abraços.

  11. “Quem teve virtude e responsabilidade aos 15, 30 ou 60 anos, as terão, também, aos 100 anos, se ainda for mentalmente saudável”.

    O que eu quis dizer é – dado que em tudo há limites – que, uma vez aprovada a expulsória aos 60 anos, mais tarde você poderia estar neste espaço clamando pela expulsória mais tardia, pelo menos para os virtuosos.

    Está bom assim ? Abraços !

  12. Concordo.

    Dizem: Quando as pessoas ficam muito tempo em um cargo, elas começam a achar que “são donas dele” e que já não devem satisfação a quem quer se seja! Isso é muito comum no serviço público.

    As pessoas pensam diferentes. Quando você pede as opiniões (pontos-de-vista) de pessoas diferentes e mistura todas, tem maior probabilidade desse resultado ser imparcial, mais homogêneo, diferente das opiniões individuais e mais parecido com o que pensa a sociedade. Creio que a permuta de qualquer funcionário público em um cargo seja saudável para todo o serviço, principalmente para evitar a ACOMODAÇÃO. O senhor acha que se os ministros pudessem ser destituídos e aposentados a qualquer momento, tantos processos seriam engavetados?

    Já pensou um ministro ficar trinta, vinte anos em um mesmo cargo do STF? Em trinta, vinte anos, o Congresso mudou muito, a sociedade mudou muito e o Poder Judiciário “tá la… o mesmo”! O que era “pecado” passou a ser moda! Mesmo que ele seja um homem “flexível”, dificilmente romperá os seus limites pessoais e e encarará essa mudança com os olhos de um jovem que vivenciou os novos costumes.

    Minha opinião: O trabalho de um MINISTRO do Supremo Tribunal Federal é TÃO IMPORTANTE para a sociedade e, consequentemente, para o país, que ele deveria ficar, no máximo, dez anos na Corte. Depois disso, deveria ser aposentado com proventos integrais.
    Isso diminuiria a ingerência política e o ENGESSAMENTO IDEOLÓGICO produzido por uma “nomeação duvidosa” feita por um “presidente duvidoso” e sabatinado por um “senado duvidoso” DEZENAS DE ANOS ATRÁS…

    Abraços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *