Se não aprender a evitar a crescente desindustrialização, o Brasil não vai a lugar algum

Antonio Machado (Correio Braziliense),
com
Charge do Laerte (Folha)   

No Brasil estamos assim: ideias diferenciadas são descartadas e as inovações nem são consideradas. A mais grave omissão é o que se fez com o planejamento das ações típicas de Estado, como a segurança, a saúde, a educação e a equidade federativa, todas em situação de crise, e, no setor privado, com a indústria.

Ela representa 11% do PIB, contra 33% duas décadas atrás, mas ainda é responsável por 36% da arrecadação total de impostos e os empregos mais bem remunerados.

NA MATRIZ USA – Sem indústria, país algum tem relevância e atrai capitais — seja a cidade-estado de Cingapura, sejam colossos como China, Índia e Estados Unidos. Em nossa matriz USA, o  governo Joe Biden tem na revitalização da indústria um dos eixos de sua política para manter a liderança dos EUA.

A indústria norte-americana se limita hoje a 11% do PIB e a 8% da força de trabalho, segundo estudo recente do McKinsey Global Institute, mas se devem a ela 60% das exportações, 70% da pesquisa e desenvolvimento, 55% das patentes, 20% do estoque de capital, sendo o principal suporte das economias regionais e da vitalidade das pequenas e médias empresas.

Aqui na filial Brazil é semelhante e o tema está na agenda do industrial Josué Gomes da Silva, próximo presidente da Fiesp (a eleição com chapa única será em 5 de julho).

UM PAÍS PARALISADO –  O quadro aterrador de mortes, boa parte devido à negligência federal — tema da CPI no Senado, apesar da má vontade de Bolsonaro e das pressões sinistras de senadores ligados ao governo —, tem relação com o fato de estarmos em abril sem que a lei orçamentária de 2021 tenha sido sancionada. Dê um nome a isso.

O que virá nas próximas semanas e meses não será diferente do que tem acontecido. As atenções se voltam ao que poderá ser em 2023, o que passa pelas próximas eleições. Diminui o risco de Bolsonaro se reeleger. Mas ainda falta candidato não bem para substituí-lo, mas com visão, liderança e programa capaz de recuperar o tempo perdido. 

A reconstrução demandará uma nova macroeconomia, outra governança do Estado brasileiro, envolvimento do empresariado local e externo, sobretudo na industrialização. Poderia ser agora, se houvesse um governo minimamente organizado. Como não há, a transição dependerá de mão firme do Congresso, para o caldo não entornar, grandeza dos líderes que restam… e rezar.

11 thoughts on “Se não aprender a evitar a crescente desindustrialização, o Brasil não vai a lugar algum

  1. Lendo esse texto do Sr° Antônio Machado,do CB.

    Me fez lembrar do saudoso Flávio Bortolotto,que a pouco nos deixou.

    Mesmo Udenista,reconhecia em Ciro Gomes,a competência para por em prática,desenvolvimento econômico sustentável.

    Belo Texto,ainda tem jornalista em Berlim..

    • Ciro Gomes seria a solução da
      maior parte dos problemas que enfrentamos atualmente mas a maioria do eleitorado é burra e não sabe votar. Se o segundo turno terminar com um empate entre Bozo e Lula, certamente votarei no Lula que, com TODOS OS SEUS DEFEITOS é um trilhão de vezes melhor que esse moleque.

  2. Não critico o aspecto tècnico do artigo, mas repudio veementemente essa atitude pejorativa contra os Estados Unidos embutida na expressão “Nossa Matriz”. Nem geopoliticamente o Brasil é ainda importante para os USA. Mas, como foi citado hoje aqui na TI, o tal do complexo de vira-latas nos faz culpar os yankees pelos nossos problemas. Isso não passa de fuga para esconder a nossa mediocridade.

  3. Sr. Newton
    Só lembranças , nada mais.
    Passamos faz tempo do fundo do poço.
    O nível dos vermes sanguessugas não tem limites, e ainda são escolhidos para “resolverem o problema na Ètica e Moralidade Pública.””..

    Senador Omar Aziz é indiciado por suspeita de envolvimento em esquema que desviou R$ 200 milhões da Saúde do AM

    https://g1.globo.com/am/amazonas/noticia/2019/09/20/senador-omar-aziz-e-indiciado-por-suspeita-de-envolvimento-em-esquema-que-desviou-r-200-mi-da-saude-do-am.ghtml

  4. A direita-liberal entreguista e a esquerda identitária brasileiras trabalham para o mesmo patrão: O DEPARTAMENTO DO GOVERNO NORTE-AMERICANO.

    Cada um desses grupinhos ideológicos tem uma única função através das ordens do Titio Sam:

    DESINDUSTRIALIZAR O BRASIL!

    Cada um a seu modo.

  5. Com uma imprensa midiática séria, determinados políticos já estariam presos devido as informações ocultadas pela própria imprensa, que muitas vezes omitem informações de políticos para interesses da nossa própria mídia, o Brasil já estaria no primeiro mundo.

    Os grupos midiáticos brasileiros são os maiores responsáveis do nosso atraso e pela existência de Lulas, Bolsonaros, Renans Calheiros, Collors, Dilmas, e vários e vários outros, para encherem o nosso saco e atrasar o país.

    Para mim não é surpresa termos uma mídia brasileira anti-Brasil. A maioria dos grandes grupos midiáticos brasileiros foram criados com dim dim do Titio Sam. Os verdadeiros chefões da mídia brasileira está nos States.

    A Globo não é comandada pela família Marinho. Os verdadeiros donos da Globo são norte-americanos.

    O SBT não é comandada pela família Abravanel. Os verdadeiros donos da SBT são norte-americanos.

    A Band não é comandada pela família Saad. Os verdadeiros donos da Band são norte-americanos.

    A Record não é comandada pelo Edir Macedo e a seita Universal. Os verdadeiros donos da Record são norte-americanos.

    A Folha, Estadão, etc etc etc não tem como patrões esses que geralmente são empurrados para gente. Os verdadeiros donos desses grupos de imprensa são norte-americanos.

    Só idiotas que acreditam que a mídia brasileira trabalha para os interesses do Brasil.

  6. E dizer que após a dita ditadura, já no governo Sarney, voltamos a ter uma desindustrialização crescente.

    A cultura colonial da exploração da terra está enraizada nos três poderes.

  7. Boa noite , leitores (as):

    Senhores Carlos Newton , Marcelo Copelli e J.Béja os piores ” INIMIGOS ” que um país tem , são os inimigos internos , pois o Brasil e seu povo de bem , somos vítimas deles , estão nos três poderes da República , além de estarem e virem da própria sociedade civil , com o propósito de dilapidarem e saquearem o patrimônio público , e ainda patrocinam a ” ELABORAÇÃO E MODIFICAÇÃO ” das leis do país , para legitimarem seus crimes através do ” Congresso Nacional ” , vide as privatizações das empresas ” PÚBLICAS E ESTATAIS BRASILEIRAS ” , que foram entregues a preço ” VIL ” , a empresas estatais estrangeiras , o pior é que a maioria das pessoas envolvidas nessas privatizações ” CRIMINOSAS “, além de enriquecerem ” ROUBANDO essas empresas , hoje fazem parte do conselho diretor das empresas que levaram as empresas Brasileiras impunimente, e até hoje ninguém falou em auditar essas privatizações .

Deixe uma resposta para ANTONIO Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *