Sem verbas, é encerrada a operação militar na Amazônia, e tropas voltam ao ‘apoio logístico’

Sem verbas, não há mais tropas nem fiscalização ambiental

Guilherme Mazui
G1 — Brasília

O governo federal não vai renovar a Operação Verde Brasil 2, que manteve tropas das Forças Armadas reforçando, por um ano, ações de combate a crimes ambientais na Amazônia. O decreto que mantém a operação de “garantia da lei e da ordem” ambiental terminou nesta sexta-feira (30).

Em nota, o Ministério da Defesa informou o encerramento da operação e disse que os militares, a partir de agora, poderão dar apoio logístico aos órgãos federais, estaduais e municipais de fiscalização “quando demandados”.

TUDO COMO ANTES – Esse apoio logístico já é previsto por lei, de forma permanente. Na chamada “GLO ambiental”, as tropas também foram autorizadas a agir em operações preventivas e repressivas para combater desmatamento e queimadas ilegais, por exemplo.

O decreto foi assinado em maio de 2020 por Bolsonaro como uma reSposta às críticas dentro e fora do Brasil à política ambiental do governo. A previsão inicial era de um mês de garantia da lei e da ordem, mas o prazo foi sucessivamente prorrogado.

O governo chegou a avaliar uma nova prorrogação do decreto até julho ou novembro deste ano, o que não aconteceu. Mais cedo, o vice-presidente da República e presidente do Conselho Nacional da Amazônia Legal, Hamilton Mourão, afirmou que ainda não tinha recebido resposta da Defesa sobre a ideia de renovar a GLO.

SÓ APOIO LOGÍSTICO – “A partir de agora será executado o Plano Amazônia 2021/2022, também instituído pelo Governo Federal. Nessa nova etapa de defesa e proteção da região que abriga a maior floresta tropical do mundo, quando demandados, os militares prestarão apoio logístico aos agentes federais, estaduais e municipais”, disse o ministério da Defesa.

Apresentado em fevereiro, o Plano Amazônia trabalha com a integração de órgãos federais, como Ibama e ICMBio, com polícias militares dos estados e órgãos municipais. O governo decidiu focar as ações em 11 municípios com grande incidência de crimes ambientais:

Publicado há duas semanas no ‘Diário Oficial da União”, o Plano Amazônia 2021/2022 indicou uma meta oficial de desmatamento na Amazônia. A meta, contudo, foi criticada por ser pouco ambiciosa.

META ARDILOSA – O texto prevê reduzir o desmatamento, até o fim de 2022, aos níveis do que foi registrado, na média, entre 2016 e 2020.

Na prática, segundo a rede Observatório do Clima (OC), o objetivo do governo não é reduzir, mas deixar a Amazônia ao final de 2022 com uma devastação “apenas” 16% maior do que a registrada no período anterior ao governo Bolsonaro.

“Crítica faz parte. Nós temos que ir por etapas. Não adianta eu chegar e dizer: ‘ah, pô, ano que vem vou derrubar 5 mil, 6 mil’. Então, eu vou derrubando pouco a pouco (o desmatamento) até chegar a 2030 com isso zerado. Se conseguir antes, ótimo”, disse o vice na ocasião.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Em tradução simultânea, o governo reduziu as verbas das Forças Armadas e o resposta do Ministério da Defesa foi o boicote. Como também foram reduzidas as verbas do Ministério do Meio Ambiente, não há mais fiscalização. O ministro Ricardo Salles está pedido reforço, mas dificilmente irá conseguir. (C.N.)

3 thoughts on “Sem verbas, é encerrada a operação militar na Amazônia, e tropas voltam ao ‘apoio logístico’

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *