Um mês depois da demissão, ex-chanceler diz que o governo Bolsonaro perdeu ‘alma’ e ‘ideal’

Um mês após demissão, ex-chanceler Ernesto Araújo diz que governo Bolsonaro perdeu

Ernesto Araújo está num cargo de terceiro escalão no Itamaraty

Felipe Frazão
Estadão

O ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo afirmou, numa série de mensagens publicadas neste sábado, dia 1º, que o governo Jair Bolsonaro perdeu a “alma” e o “ideal”. A postagem no Twitter é uma crítica direta à articulação política do Palácio do Planalto, sob influência de generais da reserva do Exército e comandada por deputados licenciados.

Desde a crise ministerial que derrubou o embaixador do Itamaraty e atingiu outros ministros, a Secretaria de Governo é chefiada pela ministra Flávia Arruda (PL), e a Casa Civil, pelo ministro Luis Eduardo Ramos, desafeto do ex-chanceler.

GESTÃO TECNOCRÁTICA – “Um governo popular, audaz e visionário foi-se transformando numa administração tecnocrática sem alma nem ideal. Penhoraram o coração do povo ao sistema. O projeto de construir uma grande nação minguou no projeto de construir uma base parlamentar”, disse o embaixador, atualmente numa função de terceiro escalão no Itamaraty.

“Assisti a esse processo com angústia e inconformidade, e fiz o que pude, até onde pude, para preservar a visão original. Nisso estive quase sozinho. Vi confiscarem ao presidente seu sonho, anularem suas convicções, abafarem sua chama. (Não deixei que abafassem a minha).”

Ícone do conservadorismo ideológico, o ex-chanceler foi demitido do cargo no fim de março, após meses de intensa pressão de diversos setores da sociedade e do próprio governo.

CULPA É DO CENTRÃO – Aliados do embaixador sempre atribuíram sua queda a articulações de militares e parlamentares do Centrão, ambos pilares de sustentação política do presidente no Palácio do Planalto. Ele teve apoio apenas de próceres do núcleo ideológico bolsonarista para se manter no cargo, entre eles o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho 03 do presidente, mas não resistiu à pressão.

“Muitos desprezam o sonho do presidente de mudar o Brasil. Eu, ao contrário, sempre acreditei, sempre estive e estarei com ele no seu amor pela liberdade e sua luta para libertar o povo de um sistema opressor. Com o apoio popular estou certo de que ele terá a força necessária para vencer”, disse, em mensagem de apoio pessoal a Bolsonaro, que ao mesmo tempo serve como forma de isolar as críticas ao núcleo duro do Palácio do Planalto que assessora o presidente.

Ernesto Araújo disse que o povo deve pedir a Bolsonaro que simplesmente volte a ser o presidente eleito em 2018, “aquele que prometeu derrotar o sistema, o líder de uma transformação histórica e constitucional, o portador de uma missão”.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Ernesto Araújo ficou com seu nome na História. Em apenas dois anos e três meses de gestão, conseguiu ser o pior chanceler da História do Brasil. (C.N.)

3 thoughts on “Um mês depois da demissão, ex-chanceler diz que o governo Bolsonaro perdeu ‘alma’ e ‘ideal’

  1. Ernesto é um sonhador sem juízo que apoia um ilustre desconhecido, um otário, que passou décadas no congresso e não fez nada. Nem sequer teve seu nome conhecido do povo brasileiro. É um idiota chapado metido a besta. O povo, por sua vez, é tão mal informado que é capaz de elege-lo outra vez. Se isto acontecer, é bom que apanhe muito, para ver se aprende.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *