Um poema realmente erótico, para exprimir o amor desesperado de Castro Alves

Resultado de imagem para frases de castro alvesPaulo Peres
Poemas & Canções
 
O poeta baiano Antônio Frederico de Castro Alves (1847-1871), símbolo da nossa literatura abolicionista, motivo pelo qual é conhecido como “Poeta dos Escravos”, era um revolucionário também no amor. Em meados do século 19, mostrando ousadia para à época, escreveu “Boa-Noite”, para a mulher por quem estava apaixonado, um poema verdadeiramente erótico.
BOA-NOITE
Castro Alves


Boa-noite, Maria! Eu vou-me embora.
A lua nas janelas bate em cheio.
Boa-noite, Maria! É tarde…é tarde…
Não me apertes assim contra teu seio.

Boa-noite!…E tu dizes – Boa-noite.
Mas não digas assim por entre beijos…
Mas não mo digas descobrindo o peito,
– Mar de amor onde vagam meus desejos.

Julieta do céu! Ouve…a Calhandra
Já rumoreja o canto da matina.
Tu dizes que eu menti?…pois foi mentira…
…Quem cantou foi teu hálito, divina!

Se a estrela d’alva os derradeiros raios
Derrama nos jardins do Capuleto,
Eu direi, me esquecendo d’alvorada:
“É noite ainda em teu cabelo preto…”

É noite ainda! Brilha na cambraia
– Desmanchado o roupão, a espádua nua 
O globo de teu peito entre os arminhos
Como entre as névoas se balouça a lua…

É noite, pois! Durmamos, Julieta!
Recende a alcova ao trescalar das flores,
Fechemos sobre nós estas cortinas…
– São as asas do arcanjo dos amores.

A frouxa luz da alabastrina lâmpada
Lambe voluptuosa os teus contornos…
Oh! Deixa-me aquecer teus pés divinos
Ao doudo afago de meus lábios mornos.

Mulher do meu amor! Quando aos meus beijos
Treme tua alma, como a lira ao vento,
Das teclas de teu seio que harmonias,
Que escalas de suspiros, bebo atento!

Ai! Canta a cavatina do delírio,
Ri, suspira, soluça, anseia e chora…
Marion! Marion!…É noite ainda.
Que importa os raios de uma nova aurora?!…

Como um negro e sombrio firmamento,
Sobre mim desenrola teu cabelo…
E deixa-me dormir balbuciando:
– Boa-noite! – formosa Consuelo!…

4 thoughts on “Um poema realmente erótico, para exprimir o amor desesperado de Castro Alves

  1. Quero, e como quero…

    Quero ver-te nua, nua, inteiramente nua,
    Não por erotismo, embora assim pareça,
    Mas para que em teu corpo não exista
    Um só milímetro que eu não conheça.

    Quero em teus seios macios tocar,
    E no teu corpo o meu aquecer;
    Quero ter-te, sôfrega, a exsudar
    O suor quente do lascivo prazer.

    Quero ser louco por ti, te amar,
    Ser parte do teu próprio ser;
    Quero, enfim, de todo me dar,
    Morrer em mim, em ti renascer!

    • Toga, Toga,

      Mas estamos diante de um poeta nato, na TI!

      Parabéns,

      Aliás, não é a primeira vez que te felicito pelas poesias postadas de tua parte, pois muito bem feitas, belas, ternas, que demonstram tu teres uma sensibilidade especial para esta legítima arte na literatura.

      Olha, te parabenizo e com muita inveja – no bom sentido -, pelo fato de eu não saber rimar açúcar com adoçante!

      Gostei muito da poesia.
      Se a mulher amada lê ou ouve essas estrofes, cai nos braços do amado com volúpia e paixão!

      Abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *