Ministros de Lula defendem Genoino no seu boicote a “empresas de judeus”

Ato do MST com ministros de Lula tem desagravo a Genoino e palestinos -  Jornal de Brasília

José Genoino foi aplaudido em ato comemorativo do MST

Heitor Mazzoco
Estadão

Dois ministros do presidente Luiz Inácio Lula da Silva saíram em defesa do ex-deputado federal José Genoino em um evento do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), neste sábado, 27, depois de o ex-presidente do PT afirmar que acha interessante a “ideia de boicote” a “determinadas empresas de judeus” e a “empresas vinculadas ao Estado de Israel”.

As declarações de Genoino foram classificadas como “antissemitas” pela Confederação Israelita do Brasil (Conib).

MARINHO APOIA – O primeiro a demonstrar apoio a Genoino foi Luiz Marinho, ministro do Trabalho, que afirmou ver “perseguição” por “ele defender a causa justa do povo palestino”. Na sequência, o ex-prefeito de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, pediu para aplaudirem Genoino, o que foi feito. No momento, o ex-presidente petista se levantou da cadeira e agradeceu com punho erguido.

Próximo do fim do evento de 40 anos do MST, o ministro do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar, Paulo Teixeira, também se manifestou em favor de Genoino.

“Eu quero aproveitar o momento para me somar ao esforço em torno da paz no Oriente Médio. Pelo fim da guerra contra o povo palestino. Me solidarizo ao Breno Altman (jornalista) e ao Genoino que estão sendo vítimas de ataque em função da defesa que fizeram para o povo palestino. Aquilo é cruel e vamos protestar de toda forma contra aquela crueldade”, disse.

CORRUPÇÃO PASSIVA – Genoino afastou-se da vida pública após ser condenado a quatro anos e oito meses por corrupção ativa no processo que ficou popularmente conhecido como “mensalão”. Ele sempre negou o crime. Em 2015, a pena foi extinta pelo Supremo Tribunal Federal (STF), após o indulto concedido pela então presidente Dilma Rousseff.

As recentes declarações de Genoino sobre boicote a empresas de judeus ocorreu em uma transmissão ao vivo. No momento, o debate era sobre deixar de comprar na Magazine Luiza diante do apoio da empresária Luiza Trajano a um abaixo-assinado para o presidente Lula deixar de apoiar ação da África do Sul contra Israel por genocídio.

A Conib apresentou junto ao Ministério Público Federal (MPF) uma queixa-crime contra Genoino. Uma investigação pode ser aberta para apurar o caso. Opositores também entraram com representações contra o ex-presidente do PT. O deputado estadual Guto Zacarias (União-SP) apresentou uma notícia-crime ao Ministério Público de São Paulo (MP-SP).

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Caramba, esses caras são irresponsáveis! Sugerir boicote ao Magazine Luiza, num momento em que a empresa não está bem financeiramente, pode matar mais empregos do que palestinos na Faixa de Gaza, e os brasileiros não têm nada a ver com essa guerra. Deixem a Luiza trabalhar em paz! (C.N.)

5 thoughts on “Ministros de Lula defendem Genoino no seu boicote a “empresas de judeus”

    • De certo modo ele deixou meio em aberto ao falar sobre boicotar ALGUMAS empresas de judeus, mas foi muito conveniente à gadolãndia distorcer a fala.

      E já passou da hora dessa CONIB ser convidada a se retirar do Brasil.

  1. Ei seu Zé Genoíno, para com isso!
    O senhor e o Rafael vão desgraçar o Estado de Israel.
    Os babilônios, os faraós e Hitler não conseguiram, agora com Genoíno e Rafael a luta fica desigual, vai ser o famoso uso desigual da força.
    Tadeeeeeeeenho de Isael.

    • Imagino o sub guerrilheiro alcaguete, chegado lá com sua brabeza e detonar logo pra inicio de conversa o Mossad e depois tocar fogo em Jerusalém e botar a culpa no Bolsonaro, com o Rafael atrás batendo o bumbo como um novo Sancho Pança seguidor do Dom Quixote, o cavaleiro da triste figura.
      Hehehhheheehhehh

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *