Governo e Congresso estão empurrando conta de luz bilionária para o consumidor 

Eletrobras (ELET3)(ELET6): qual a projeção da Genial após escolha de novo CFO? - SpaceMoney

Privatizar a Eletrobras foi um erro colossal de Bolsonaro

Johanns Eller
O Globo

A conta dos jabutis inseridos no projeto de lei das eólicas offshore para beneficiar uma série de empresários ligados ao setor, como Carlos Suarez (grupo OAS), conhecido como rei do gás, já circula nos bastidores do Ministério da Fazenda. E é bilionária. A estimativa dos técnicos do governo Lula, obtida com exclusividade pela equipe da coluna, é de que a manobra que revelamos no blog no final de novembro vá custar pelo menos R$ 33,8 bilhões ao consumidor brasileiro – que já paga uma conta alta, mesmo sem risco de apagão ou crise no abastecimento.

É praticamente o mesmo valor – até um pouco mais – que a Fazenda pretende arrecadar com a taxação dos fundos exclusivos e offshore até 2025 (R$ 30,5 bilhões).

SUBSÍDIOS DIVERSOS – O dinheiro vai ser consumido com a ampliação, a criação ou a prorrogação de subsídios variados, das térmicas a gás (R$13,2 bilhões) à usinas a carvão (R$ 2,2 bilhões) e outras modalidades de geração de energia que hoje já são mais baratas e competitivas – como as pequenas centrais hidrelétricas (R$ 8,6 bilhões).

O período de concessão dos benefícios varia conforme o subsídio e pode chegar até 20 anos. E a despesa será toda transferida ao consumidor, como alerta um técnico do governo.

“Essa é a tragédia do setor elétrico. Acharam um jeito de fazer benesses sem passar pelo orçamento. Vai do bolso do consumidor para o do empresário. O impacto na distribuição de renda é péssimo, pois a conta de luz é um item muito importante no orçamento das famílias de mais baixa renda”.

DERRUBAR O PROJETO – Preocupada com os efeitos na economia, uma ala do governo, mais ligada à Fazenda, vai trabalhar para tentar derrubar o projeto no Senado.

Mas devem enfrentar dificuldades, porque os jabutis incluídos no projeto aprovado na Câmara contemplam uma série de interesses e empresários poderosos – como o próprio Suarez, que tem vários defensores no Congresso.

O projeto, de autoria do ex-senador Fernando Collor (PTB-AL) e relatado pelo deputado federal Zé Vitor (PL-MG), chegou na última sexta-feira (dia 8) à Secretaria Legislativa do Senado Federal. Até o fechamento desta reportagem, aguardava despacho da mesa diretora da Casa para entrar na pauta.

JABUTI ESTRATÉGICO – No jargão político de Brasília, jabutis são dispositivos ou trechos incluídos na redação de leis ou medidas provisórias sem relação direta com o tema em discussão com o objetivo de serem aprovados sem alarde.

Apesar de o objetivo do PL em tese ser o de estabelecer um marco regulatório para eólicas offshore (parques eólicos em alto mar), um jabuti que atende aos interesses de Suarez foi incluído no texto pelo relator Zé Vitor no último dia 22.

No novo artigo costurado pelo MME, o custo do transporte do gás deixa de ser incluído no preço do megawatt a ser oferecido nos leilões pelas partes interessadas na construção das usinas – que, por sua vez, contratariam o transporte a partir de uma chamada pública feita pelo governo estadual junto com as distribuidoras regionais de gás.

MAIS FAVORECIMENTO – Outra medida que beneficia diretamente Suarez é a prorrogação dos subsídios a pequenas centrais hidrelétricas, conhecidas como PCHs, por mais 20 anos no chamado Programa de Incentivos às Fontes Alternativas de Energia Elétrica (Proinfa) – ao custo de R$ 2 bilhões por ano. Além de ser forte no ramo da distribuição de gás, o empresário baiano tem uma participação relevante no mercado de PCHs.

Os outros bilhões estão espalhados por outros jabutis inseridos no texto pelos articuladores do lobby pró-Suarez para dirimir as resistências de setores à obrigatoriedade das usinas térmicas – um dos pontos mais controversos da lei de privatização da Eletrobras – e viabilizar um texto consensual para ser aprovado pelas duas Casas do Congresso.

Isso porque a lei da Eletrobras obrigava o governo a contratar o fornecimento de 8 mil megawatts de térmicas no Nordeste, Norte, Centro-Oeste e Sudeste a partir de 2026. Suarez, dono da Termogás, seria o principal favorecido por ser o dono das concessões para o fornecimento de gás às usinas previstas nas três primeiras regiões, mas não dispõe de gasodutos.

CUSTO DO TRANSPORTE – Porém, como o jabuti patrocinado pelo MME estabelece que o custo do transporte não será computado no preço a ser oferecido no leilão das térmicas, mas apenas após a construção das usinas, a conta do transporte ficaria na conta do consumidor – já que não há outra forma de transportar o gás senão construindo os gasodutos.

Para aplacar a controvérsia, o texto final diminuiu a quantidade de usinas a serem licitadas de 8 mil megawatts para 4.250 MW e redirecionou parte do potencial energético previsto para outras fontes energéticas que não eram condicionantes da lei que privatizou a Eletrobras.

É o caso, por exemplo, das usinas de hidrogênio líquido e as termelétricas movidas a carvão mineral – uma das fontes energéticas mais poluentes. A intenção dos congressistas é aprovar o PL antes do recesso, previsto para começar no dia 23. Pelo visto, tanto o governo Lula quanto os congressistas parecem empenhados em garantir a Carlos Suarez um inesquecível presente de Natal.

7 thoughts on “Governo e Congresso estão empurrando conta de luz bilionária para o consumidor 

  1. O consumidor brasileiro, apesar de nossa grande quantidade de usinas hidrelétricas, paga uma das contas de luz mais caras do mundo (e mais ainda se for considerada em relação à nossa renda média) mas é onerado por uma grande quantidade de subsídios sem sentido, sem contar o tamanho dos impostos.
    E “jabutis”, em qualquer projeto de lei, deveriam ser sumariamente proibidos. São uma forma de aproveitar votações para enfiar defesas de interesses particulares que nada têm a ver com elas.

  2. Privatiza a Eletrobrás que melhora, dizem os neoliberais caolhos. Não investem na ampliação do sistema elétrico a menos que o Estado malvadão subsidie as pobres empresas que não podem reduzir os dividendos dos seus acionistas e os bônus e super salários da sua diretoria. No final a chinela canta sempre sobre o lombo do povão idiota mesmo.
    Não é sem motivo que as ações de empresas de energia elétrica são as maiores vacas leiteiras da Bovespa

    E só uma correção, CN, esse senhor da foto não é o Carlos Suarez, é o Adriano Pires, um lobista das grandes petroleiras gringas e ferrenho defensor da privatização da BR, e sua consultoria presta serviços para uma empresa do Carlos Suarez, objeto dessa matéria.

  3. Isso é só o começo. A privatização feita pelo governo Bozo-Paulo Guedes além de encarecer as contas, também vão dar início a uma série de apagões para parar o crescimento da produção do país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *