Intelectuais alemães defendem Israel e temem que ocorram reações antissemitas

Frases da Filosofia: Jurgen HabermasCatarina Rochamonte
O Antagonista

Em carta aberta intitulada “Grundsätze der Solidarität. Eine Stellungnahme” (Princípios de solidariedade. Uma afirmação), o renomado filósofo e sociólogo alemão Jürgen Habermas, nascido em 1929, defendeu como “em princípio justificado” o “contra-ataque” de Israel, na Faixa de Gaza, ao massacre cometido pelo Hamas em 7 de outubro.

Os outros três signatários do texto, publicado em 13 de novembro no site de pesquisa Normative Orders, da Universidade Goethe de Frankfurt, também são muito respeitados – o cientista político Rainer Forst, o advogado Klaus Günter e a pesquisadora Nicole Deitelhoff.

Eles expressam preocupação com os civis em Gaza e com o crescimento do antissemitismo na Alemanha, mas  sublinham que a reação israelense não é comparável a um genocídio intencional, acrescentando que quem afirma isso perdeu o parâmetro.

ESCOLA DE FRANKFURT – Jürgen Habermas é considerado um dos continuadores da teoria crítica da Escola de Frankfurt, uma escola de tradição marxista à qual ele acrescentou suas visões originais no campo da filosofia analítica, do pragmatismo e do liberalismo norte-americano.

Trata-se, portanto, de uma figura à esquerda, embora não pertença à esquerda radical, violenta e revolucionária. É conhecido no meio acadêmico, por exemplo, o debate Habermas-Foucault, que se refere à disputa entre a teoria da racionalidade comunicativa de Habermas e a teoria do poder de Foucault.

A posição de Habermas, simpática a Israel, não é tão surpreendente. No ensaio “O idealismo alemão e os filósofos judeus”, que consta em seu livro “Israel ou Atenas. Ensaios sobre religião, teologia e racionalidade”, Habermas destacou a contribuição de pensadores judeus ou de ascendência judaica, entre eles Martin Buber, Franz Rosenzweig, Hermann Cohen, Ernest Cassirer, Walter Benjamin, Max Scheler, Hannah Arendt, Edmund Husserl e Ludwig Wittgenstein, e arrematou: “Se não houvesse existido uma tradição judaica, teríamos que inventá-la.”

###
DIZEM OS INTELECTUAIS ALEMÃES

A situação atual, criada pelo ataque inigualável do Hamas e pela resposta de Israel, levou a uma série de declarações e manifestações morais e políticas.

Acreditamos que, apesar de todas as opiniões contraditórias expressas, existem alguns princípios que não devem ser contestados. Eles são subjacentes à solidariedade corretamente estendida aos judeus em Israel e na Alemanha.

O massacre do Hamas, com a sua intenção declarada de destruir a vida judaica em geral, levou Israel a retaliar. A forma como este contra-ataque, em princípio justificado, está sendo realizado é discutida de modo controverso; os princípios da proporcionalidade, de evitar vítimas civis e de travar uma guerra com a perspectiva de uma paz futura, devem ser princípios orientadores.

Apesar de toda a preocupação com o destino da população palestina, perde-se completamente o parâmetro de julgamento quando são atribuídas intenções genocidas às ações israelenses.

Em particular, as ações de Israel não justificam de forma alguma reações antissemitas, especialmente na Alemanha.

É insuportável que os judeus na Alemanha sejam mais uma vez expostos a ameaças contra a vida e a integridade física e tenham de temer a violência física nas ruas.

A autoimagem democrática da República Federal, que se baseia na obrigação de respeitar a dignidade humana, está ligada a uma cultura política para a qual, à luz dos crimes em massa do período nazista, a vida judaica e o direito de Israel à existência são elementos centrais, particularmente dignos de proteção.

Nicole Deitelhoff, Rainer Forst, Klaus Günther e Jürgen Habermas”.

14 thoughts on “Intelectuais alemães defendem Israel e temem que ocorram reações antissemitas

  1. É inacreditável que em pleno século XXI ainda haja gente pintando a fachada da casa de judeus com a Estrela de Davi. E isto no país mais desenvolvido da Europa Ocidental. Inacreditável.

  2. Inacreditável que ainda tem gente que acredita que o estado genocida de Israel é a vitima nessa história, mesmo esse estado genocida praticar genocídio étnico contra os palestinos HÁ MAIS DE 70 ANOS!
    Inacreditável!

  3. “os princípios da proporcionalidade, de evitar vítimas civis e de travar uma guerra com a perspectiva de uma paz futura, devem ser princípios orientadores.”

    Certo. A controvérsia é essa. Se o Estado de Israel não está levando em conta a morte de civis e à destruição da infraestrutura, inclusive de saúde, ao tentar eliminar o Hamas, então, dizer o quê?

  4. É muito difícil julgar.
    Se nos posicionarmos no lugar dos palestinos, fica clara a revolta pelo estado judeu incentivar a construções de kibuts em território onde já existia assentamentos palestinos, com a expulsão dos mesmos; coisa que acontece a décadas e é contestada até por israelenses.
    Se nos colocamos no lugar dos israelenses, não é aceitável estarmos sob ameaça constante de milícias que infernizam nossas vidas e com o acontecido de 8 de novembro, foi o estopim para que o estado judeu com um primeiro ministro de extrema direita, querendo diminuir o poder do judiciário pelas seus próprios interesses, corrupto sob ameaça, usasse o fato para acabar com a “farra terrorista”.
    Em situações muito piores, a humanidade já tinha resolvido com o diálogo e o respeito ao próximo, como no caso da independência da Índia e mais recentemente o excelso exemplo de Nelson Mandela na África do Sul.

    • O Hamas foi promovido e financiado pelo próprio estado terrorista de Israel. Se queres reclamar de algo, reclame com os próprios governantes e militares desse estado terrorista israelense.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *